sexta-feira, 19 de outubro de 2012

Termina a primeira fase do Sínodo dos Bispos: Nova evangelização para renovar a fé




VATICANO, 18 Out. 12 / 02:23 pm (ACI/EWTN Noticias).- Hoje ao meio dia se realizou no Vaticano uma conferência de imprensa com os presidentes delegados do Sínodo dos Bispos que está sendo realizado até o dia 27 de outubro, na qual se informou sobre os trabalhos da assembleia sinodal após a apresentação de ontem do "Relatório depois das discussões gerais".

Na conferência estiveram: o Cardeal John Tong Hon, bispo de Hong Kong (China); o Cardeal Francisco Robles Ortega, Arcebispo de Guadalajara (México); o Cardeal Laurent Monsengwo Pasinya, Arcebispo da Kinshasa (Congo) e Dom Ján Babjak, arcebispo Metropolita di Prešov para os católicos de rito bizantino.

Os Bispos fizeram um balanço desta primeira parte do Sínodo sobre a Nova evangelização e traçaram os limites, o contexto e o material sobre o qual agora os padres sinodais, depois das discussões gerais na Sala do Sínodo, dispõem-se a tratar e avaliar em grupos linguísticos, nos chamados círculos menores onde será elaborado o rascunho da mensagem final.

Ontem pela tarde, o Cardeal Donald Wuerl, relator geral do Sínodo, assinalou que "a nova evangelização não é um programa temporário, mas sim uma maneira de ver o futuro da Igreja e de ver-nos a todos comprometidos na renovação da fé, porque o anúncio do Evangelho é a missão primordial da Igreja".

Em presença do Papa Bento XVI, o Arcebispo de Washington apresentou o "Relatório depois das discussões gerais" que contém os temas mais importantes do Sínodo.

Ele disse que "hoje especialmente, o ministério da Igreja se encontra em uma fase de revisão de sua maneira de levar a Palavra de Deus em um contexto novo, globalizado, cheio de desafios e onde há uma grande ignorância da fé, especialmente nos países de antiga tradição cristã".

O relator geral destacou que na prática o que se necessita é uma "renovação espiritual que a Igreja deve proclamar e aplicar".

O Cardeal Wuerl recordou alguns temas que foram tratados no Sínodo: o diálogo inter-religioso, especialmente com o mundo muçulmano; a violência e a redução da liberdade religiosa; o compromisso ecumênico e a Igreja nos meios de comunicação.

Continuando, indicou alguns "instrumentos" válidos para um novo anúncio do Evangelho: as paróquias, as pequenas comunidades, as escolas, as universidades, as peregrinações e os catequistas.

"Mas é principalmente o matrimônio, a família, a Igreja doméstica, a instituição que consegue transmitir a fé nas situações mais difíceis, formar à pessoa humana, que hoje tem necessidade de apoio em um mundo secularizado".

O Arcebispo dedicou um amplo espaço aos sacerdotes e consagrados insubstituíveis para a nova evangelização em uma época onde as vocações são escassas; e recordou igualmente a necessidade de integrar os leigos a todos os níveis na organização da igreja local, já que todos os católicos devem convocar às pessoas à prática da fé.

Conforme assinala a Rádio Vaticano, o relatório do Cardeal Wuerl contém 14 perguntas, às que terão que responder os Padres sinodais, preparando assim o terreno para a elaboração dos documentos finais.

"Agora que a Igreja é consciente de suas dificuldades, tensões, preocupações, pecados e sua debilidade humana, é hora de olhar um novo Pentecostes, para viver a Palavra de Deus e compartilhá-la com alegria", concluiu.

Nenhum comentário:

Postar um comentário