Rádio

quarta-feira, 30 de novembro de 2011

SANTO ANDRÉ, APÓSTOLO



Entre os Doze apóstolos de Cristo, André foi o primeiro a ser seu discípulo. Além de ser apontado por eles próprios como o "número dois", depois, somente, de Pedro. Na lista dos apóstolos, pela ordem está entre os quatro primeiros. Morava em Cafarnaum, era discípulo de João Batista, filho de Jonas de Betsaida, irmão de Simão-Pedro e ambos eram pescadores no mar da Galiléia. 

Foi levado por João Batista à verde planície de Jericó, juntamente com João Evangelista, para conhecer Jesus. Ele passava. E o visionário profeta indicou-o e disse a célebre frase: "Eis o Cordeiro de Deus, que tira os pecados do mundo". André, então, começou a segui-lo. 

A seguir, André levou o irmão Simão-Pedro a conhecer Jesus, afirmando: "Encontramos o Messias". Assim, tornou-se, também, o primeiro dos apóstolos a recrutar novos discípulos para o Senhor. Aparece no episódio da multiplicação dos pães: depois da resposta de Filipe, André indica a Jesus um jovem que possuía os únicos alimentos ali presentes: cinco pães e dois peixes. 

Pouco antes da morte do Redentor, aparece o discípulo André ao lado de Filipe, como um de grande autoridade. Pois é a ele que Filipe se dirige quando certos gregos pedem para ver o Senhor, e ambos contaram a Jesus. 

André participou da vida publica de Jesus, estava presente na última ceia, viu o Cristo Ressuscitado, testemunhou a Ascenção e recebeu o primeiro Pentecostes. Ajudou a sedimentar a Igreja de Cristo a partir da Palestina, mas as localidades e regiões por onde pregou não sabemos com exatidão. 

Alguns historiadores citam que depois de Jerusalém foi evangelizar na Galiléia, Cítia, Etiópia, Trácia e, finalmente, na Grécia. Nessa última, formou um grande rebanho e pôde fundar a comunidade cristã de Patras, na Acaia, um dos modelos de Igreja nos primeiros tempos. Mas foi lá, também, que acabou martirizado nas mãos do inimigo, Egéas, governador e juiz romano local. 

André ousou não obedecer à autoridade do governador, desafiando-o a reconhecer em Jesus um juiz acima dele. Mais ainda, clamou que os deuses pagãos não passavam de demônios. Egéas não hesitou e condenou-o à crucificação. Para espanto dos carrascos, aceitou com alegria a sentença, afirmando que, se temesse o martírio, não estaria "pregando a grandeza da cruz, onde morreu Jesus". 

Ficou dois dias pregado numa cruz em forma de "X"; antes, porém, despojou-se de suas vestes e bens, doando-os aos algozes. Conta a tradição que, um pouco antes de André morrer, foi possível ver uma grande luz envolvendo-o e apagando-se a seguir. Tudo ocorreu sob o império de Nero, em 30 de novembro do ano 60, data que toda a cristandade guarda para sua festa. 

O imperador Constantino trasladou, em 357, de Patos para Constantinopla, as relíquias mortais de santo André, Apóstolo. Elas foram levadas para Roma, onde permanecem até hoje, na Catedral de Amalfi, só no século XIII. Santo André, Apóstolo, é celebrado como padroeiro da Rússia e Escócia.

terça-feira, 29 de novembro de 2011

Quem é Satanás realmente?


Palestra do padre Gabriel Amorth no Umbria International Film Fest

por Lucas Marcolivio

TERNI, quinta-feira, 24 de novembro, 2011 (ZENIT.org) - Quem é o diabo? Qual é seu nome real? Quão poderoso é? Como se manifesta a sua obra destruidora nas vidas dos homens?
Estas e outras perguntas semelhantes foram respondidas pelo Padre Gabriel Amorth, célebre exorcista italiano, em uma vídeo-intrevista projetada ontem à tarde durante o Umbria International Film Fest, pouco antes da projeção do filme O rito de Mikael Hafstrom, cujo objeto é precisamente o exorcismo.

O diabo, disse o padre Amorth, é essencialmente "um espírito puro criado por Deus como um anjo". Como os homens, também os anjos foram submetidos à uma prova de obediência, que Satanás – que era o mais brilhante dos espíritos celestes - se rebelou.

Satanás é, portanto, o primeiro diabo da história sagrada, e o mais poderoso de todos. Assim como no céu, com os santos e anjos, nas suas várias categorias, também no inferno há uma hierarquia. Enquanto o Reino de Deus é governado pelo amor, o reino de Satanás é dominado pelo ódio. "Os demônios se odeiam entre si e a sua hierarquia é baseada no terror", disse o padre Amorth.

"Um dia - disse o exorcista - eu estava quase liberando uma pessoa possuída por um demônio que não era nem mesmo um dos mais fortes. Por que você não vai embora?, perguntei-lhe. Porque – me respondeu - se eu sair Satanás me punirá ". A finalidade da existência dos demônios é "arrastar o homem ao pecado e trazê-lo para o inferno", disse Amorth.

O que é, então, que impulsiona o homem a esta louca obra de auto-destruição e condenação? Segundo o padre Amorth, o homem é sempre impulsionado pela "curiosidade", uma inclinação que pode ser "positiva ou negativa dependendo das circunstâncias”.

O verdadeiro 'triunfo' do demônio, porém, é que ele está "sempre escondido" e a coisa que mais deseja é que não se "acredite na sua existência". Ele "estuda a cada um de nós, nas suas tendências para o bem e para o mal, e depois suscita as tentações", aproveitando-se das nossas fraquezas.

A época contemporânea, afinal de contas, é representada precisamente pelo total esquecimento da figura do diabo que, assim, consegue os seus mais importantes sucessos. Se a humanidade perde o sentido do pecado, é quase automático que entrem ideias de que "o aborto e o divórcio sejam uma conquista da civilização e não um pecado mortal", disse Amorth.

É óbvio que o diabo está por trás de práticas como o ocultismo e a magia, e até aqui, “aproveitando a nossa curiosidade". Quem quiser "conhecer o próprio futuro ou falar com os mortos", por exemplo, vai, ainda sem querer, encontrar-se com o demônio. 
O padre Amorth não descarta nem sequer o filme Harry Potter: o ídolo literário e cinematográfico de tantas crianças ao redor do mundo é, de fato, de acordo com o exorcista, uma mensagem publicitária da “magia” apesar de ser vendido “até mesmo em livrarias católicas".

Perigosas e desonestas, para Amorth, são também as práticas orientais aparentemente inócuas como o Yoga: "Você acha que está fazendo para relaxar, mas leva ao Hinduísmo - explicou o exorcista - Todas as religiões orientais são baseadas na falsa crença da reencarnação ".

Perguntado se Satanás atormenta mais as almas dos ateus ou aquelas dos crentes, o padre Amorth disse que o mundo pagão é mais vulnerável ao diabo do que o mundo cristão ou crente, no entanto, "um ateu é mais difícil que venha visitar um sacerdote".

Amorth, que disse ter exorcizado também "muçulmanos e hindus", salientou: "Se viesse comigo um ateu eu diria para mim mesmo que, de todos modos, estou agindo em nome de Jesus Cristo e lhe recomendaria que se informasse sobre quem fosse Cristo ".

Um aspecto curioso e nem por isso secundário do trabalho de um exorcista está ligado aos nomes dos demônios. "A primeira coisa que eu pergunto ao possuído é qual seja o seu nome - disse o padre Amorth -. Se ele me responde com o nome verdadeiro para o diabo já é uma derrota: foi forçado a dizer a verdade, a sair do esconderijo".

Caso contrário, o diabo vai responder cada vez com um nome diferente. "Os demônios na realidade, como os anjos, não têm nomes - disse Amorth - mas se atribuem apelidos até mesmo bobos, como Isbò: este era um diabo com um nome estúpido, mas poderosíssimo, ao ponto de ter conseguido matar um exorcista e um bispo ".

O padre Amorth também afirmou que a pessoa possuída não está necessariamente em pecado mortal, porque "Satanás pode tomar o corpo, mas não a alma", e advertiu que o demônio não só atua com a possessão, mas também com o assédio, a obsessão e a infestação (esta última referida principalmente a locais físicos).

O malefícios associados à práticas ocultas (feitiços, vudú, macumba, faturas, etc.), são "muito raros", disse o exorcista.

Aqueles que rezam e que confiam constantemente em Deus "não devem ter medo" do demônio. Além disso, o padre Amorth disse que nunca teve medo do diabo durante os exorcismos. "Às vezes - deixou claro - eu estive com medo de machucar fisicamente alguém porque, por exemplo, é arriscado exorcizar uma pessoa doente do coração".

Amorth concluiu a entrevista confirmando que muitas pessoas, de fato, vendem sua alma ao diabo, mas, ironicamente, ele acrescentou, "Eu tenho queimado muitos contratos ...."

[Tradução TS]

segunda-feira, 28 de novembro de 2011

Dom João Braz de Aviz participa do II Congresso sobre as novas formas de vida consagrada


"Entre a tradição e a inovação" é o tema proposto para este ano

Por Maria Emilia Pacheco

ROMA, sexta-feira, 25 de novembro de 2011(ZENIT.org) – O prefeito da Congregação para os Institutos de Vida Consagrada e Sociedades de Vida Apostólica, Dom João Braz de Aviz, participou do II Congresso Internacional dedicado às novas formas de vida consagrada. O evento acontece nos dias 24, 25 e 26 de novembro no auditório da Pontifícia Universidade Antonianum em Roma.

***

“Entre a tradição e a Inovação”, é o tema do II Congresso organizado pela Faculdade de Teologia da Pontifícia Universidade Antonianum, Fraternidade Betânia e a Coordenação dos historiadores Religiosos. O primeiro Congresso aconteceu em 2007 na Pontifícia Universidade Urbaniana e a temática era “Identidade, Missão e Perspectivas” das novas realidades de vida consagrada. Este ano seria o momento de verificar o balanço, controlar o caminho percorrido e a situação atual.

“Estas novas formas de vida consagrada, que vêm juntar-se às antigas, testemunham a constante atração que a doação total ao Senhor, o ideal da comunidade apostólica, os carismas de fundação continuam a exercer mesmo sobre a geração atual, e são sinal também da complementaridade dos dons do Espírito Santo" (Exort.Apost.Vit. Consecrata. n12). Estas foram as Palavras de João Paulo II recordadas pelo moderador geral, Prof. Paolo Martinelli, diretor do Instituto de espiritualidade Franciscana da Pontifícia Universidade Antonianum, na abertura do Evento.

Após a acolhida aos participantes de diversas comunidades de todo o mundo, feita pelo reitor da Antonianum, Fr. Priamo Etzi e pelo moderador, Prof. Paolo Martinelli, foi dada a palavra ao Prefeito da Congregação para os Institutos de vida consagrada e sociedades de vida apostólica, Dom João Braz de Aviz.

Dom João saudou os participantes da Conferência e a todos os que “querem aprofundar, refletir sobre as novas formas de vida, mas não colocando as antigas ”no armário”.

Junto com o Santo Padre também nós nos "preparamos para iniciar o ano da fé, que será o nosso caminho". "A Carta Porta Fidei indicará a estrada" para o acompanhamento pastoral destas realidades. “O Papa repropõe o caminho do Concilio Vaticano II, colocando ao centro, o próprio Concílio e a nova evangelização”.

Em relação aos novos carismas, D. Jõao disse que "tudo que assume a figura do povo de Deus, devemos acolher”, e - prosseguiu - “A graça que marcou a todos como povo de Deus foi o batismo, nos deu a dignidade de filhos de Deus. Tudo é fruto desta dignidade”, fazendo referência à Lumen Gentium.

Dom João Braz de Aviz comentou a necessidade de resolver alguns problemas que acontecem com estas novas realidades, por exemplo, afrontar as novas comunidades que não tem um fundador autêntico. E concluiu seu discurso dizendo que “estava muito contente e que gostaria de estar próximo de cada um” e de cuidar dos problemas.

Em seguida, se pronunciou Dom Vicenzo Bertolone, arcebispo de Catanzaro, e ex- secretário da Congregação para os Institutos de vida consagrada e sociedades de vida apostólica.

O Arcebispo destacou a problemática das denominações destas novas formas de vida. “Se chamam novas fundações, mas têm características comuns às antigas”. E continuou sua reflexão com as seguintes perguntas: - Onde está a novidade? Qual a diferença destas em relação às antigas?

“O Dicastério poderia promover uma Comissão Ad Hoc que estude os problemas levantados”, - sugeriu o Arcebispo -.

O encontro prosseguiu com o testemunho de Etienne Marie Buisset da Comunidade de “San Jean”, presente na diocese de Fréjus em Toulon na França e após o intervalo com o testemunho de Laurent Fabre, fundador da comunidade “Chemin Neuf”.

domingo, 27 de novembro de 2011

1º DOMINGO DO ADVENTO



Leituras: Is 63, 16-17.19; Sl 80(79); I Cor 1,3-9; Mc 13, 33-37



O que vos digo, digo a todos: vigiai! (Mc 13,37)
Alegrem-se, porque o Senhor está próximo!

A Igreja entra neste fim de semana no tempo litúrgico do Advento. Os cristãos proclamam que o Messias veio realmente e que o Reino de Deus está ao nosso alcance. O Advento não muda Deus. O Advento aprofunda em nosso desejo e em nossa espera de que Deus realize o que os profetas anunciaram. Rezamos para que Deus ceda à nossa necessidade de ver e sentir a promessa de salvação aqui e agora.

Durante este tempo de desejo e de espera no Senhor, somos convidados a rezar e a aprofundar na Palavra de Deus, mas estamos chamados antes de tudo a converter-nos em reflexo da luz de Cristo, que na realidade é o próprio Cristo. De qualquer forma, todos sabemos como é difícil refletir a luz de Cristo, especialmente quando perdemos nossas esperanças, quando nos acostumamos a uma vida sem luz e já não esperamos mais que mediocridade e o vazio. O Advento nos recorda que temos de estar prontos para encontrar o Senhor em todos os momentos da nossa vida. Como um despertador acorda seu proprietário, o Advento desperta os cristãos que correm o risco de dormir na vida diária.

O que esperamos da vida, ou quem esperamos? Por quais presentes ou virtudes rezamos neste ano? Desejamos reconciliar-nos em nossas relações sociais? Em meio às nossas escuridões, nossas tristezas e segredos, que sentido desejamos encontrar? Como queremos viver as promessas de nosso Batismo? Que qualidades de Jesus buscaremos para nossas próprias vidas neste Advento? Com freqüência, as coisas, as qualidades, os presentes ou as pessoas que buscamos e desejamos dizem muito sobre quem somos realmente. Dize-me o que esperas e te direi quem és!

O Advento é um período para abrir os olhos, voltar a centrar-se, prestar atenção, tomar consciência da presença de Deus no mundo e em nossas vidas.

Neste primeiro domingo do Advento, na primeira leitura do profeta Isaías, o Todo-Poderoso volta a dar esperança ao coração e à alma de Israel; modela Israel como o faz o oleiro com a cerâmica.

Na segunda leitura, em sua carta à comunidade amada de Corinto, Paulo diz que espera com impaciência "o dia do Senhor", no qual o Senhor Jesus se revelará a nós para salvar aqueles a quem chamou.

No Evangelho do primeiro domingo do Advento, Marcos descreve o porteiro da casa que vela em espera do regresso inesperado de seu senhor. Trata-se de uma imagem do que temos de fazer durante todo o ano, mas especialmente durante o período do Advento.

Nosso Batismo nos faz participar da missão real e messiânica de Jesus. Cada pessoa que participa desta missão participa também das responsabilidades régias, em particular, no cuidado dos afligidos e dos feridos. O Advento oferece a maravilhosa oportunidade de realizar as promessas e o compromisso do nosso Batismo.

O cardeal Joseph Ratzinger escreveu que o objetivo do ano litúrgico consiste em recordar sem cessar a memória de sua grande história, despertar a memória do coração para poder discernir o sinal da esperança. Esta é a bela tarefa do Advento: despertar em nós as lembranças da bondade, abrindo deste modo as portas da esperança.

Neste tempo do Advento, permitam-me apresentar-lhes algumas sugestões. Acabem com uma briga. Façam a paz. Procurem um amigo esquecido. Eliminem a suspeita e substituam-na pela confiança. Escrevam uma carta de amor.

Compartilhem um tesouro. Respondam com doçura, ainda que desejassem dar uma resposta ríspida. Motivem um jovem a ter confiança nele mesmo. Mantenham uma promessa. Encontrem tempo, dêem-se tempo. Não guardem rancor. Perdoem o inimigo. Celebrem o sacramento da reconciliação. Escutem mais os outros. Peçam perdão quando se equivocam. Sejam gentis, ainda que não tenham feito nada errado! procurem compreender. Não sejam invejosos. Pensem antes no outro.

Riam um pouco. Riam um pouco mais. Ganhem a confiança dos outros. Oponham-se à maldade. Sejam agradecidos. Vão à Igreja. Fiquem na igreja mais do que o tempo acostumado. Alegrem o coração de uma criança. Contemplem a beleza e a maravilha da terra. Expressem seu amor. Voltem a expressá-lo. Expressem-no mais forte. Expressem-no serenamente.



Publicamos uma reflexão sobre o Advento do Pe. Thomas Rosica, C.S.B., professor em várias universidades canadenses de Sagrada Escritura. O Pe. Rosica, diretor do canal de televisão canadense Salt and Light e membro do Conselho Geral da Congregação São Basilio, é conhecido pelos leitores da Zenit pelas crônicas que escreveu durante o Sínodo dos Bispos sobre a Palavra, em outubro passado, na qual foi porta-voz para a língua inglesa.

O Pe. Rosica foi o encarregado da organização das Jornadas Mundiais da Juventude que aconteceram em Toronto em julho de 2002, com a participação do Papa João Paulo II.

sábado, 26 de novembro de 2011

BEM-AVENTURADO TIAGO ALBERIONE, PRESBÍTERO



Na noite da passagem do século, 31 de dezembro de 1900 para 1o de janeiro de 1901, o jovem seminarista permanece quatro horas em oração na catedral de Alba (Itália). Uma luz vem do Tabernáculo e o envolve. 

- "Fazer alguma coisa por Deus e pelas pessoas do novo século, com as quais conviveria!" Sente fortemente o convite e o apelo de Deus. 

O mundo passava por profundas mudanças sociais e tecnológicas, era necessário utilizar as novas descobertas, as novas forças do progresso para fazer o bem, para evangelizar. 

O jovem seminarista, com apenas dezesseis anos, era Tiago Alberione, futuro fundador da Família Paulina, que nunca deixou que essa chama luminosa se apagasse em sua vida. 

Alberione nasceu em 4 de abril de 1884, em São Lourenço de Fossano, norte da Itália, de uma família de camponeses simples e laboriosos. Vinte quatro horas após o nascimento, foi batizado e recebeu o nome de "Tiago". 

Buscando melhores terras para a lavoura, a família Alberione mudou para a cidade de Cherasco, onde Tiago passou sua infância e adolescência. Foi lá que se manifestou a vocação para o sacerdócio. 

- Quero ser padre! foi a resposta que deu à professora, Rosina Cardona, que perguntava aos seus oitenta alunos o que queriam ser quando crescessem. 

A resposta, que poderia parecer impensada, veio de um menino de bom coração e piedoso. Com o passar do tempo, a vocação fortificou-se e ele foi encaminhado para o seminário, onde não perdia tempo e procurava aprender de todos e de tudo. Inquietavam Alberione as transformações que aconteciam na sociedade e os apelos do papa, Leão XIII, para que todos se voltassem para Jesus Cristo, Caminho, Verdade e Vida, salvação da humanidade. 

Foi ordenado sacerdote no dia 29 de junho de 1907, com vinte e três anos de idade. Todas as organizações de renovação existentes, então, na Igreja foram acolhidas por padre Alberione, que participou, ativamente, dos movimentos: missionário, litúrgico, pastoral, social, bíblico, teológico e, mais tarde, do movimento ecumênico. Em todos os movimentos Alberione-profeta vislumbrava espaços carentes de evangelização e atualização. 

Impulsionado pelo Espírito Santo, tornou realidade sua intuição carismática com a fundação de várias congregações e institutos para, juntos, anunciar Jesus Cristo, Caminho, Verdade e Vida, com os meios da comunicação social. Padres e irmãos Paulinos em 1914; Irmãs Paulinas em 1915; Discípulas do Divino Mestre em 1924; Irmãs Pastorinhas em 1938; e Irmãs Apostolinas em 1957. Fundou, também, os institutos seculares de Nossa Senhora da Anunciação e São Gabriel Arcanjo em 1958; os institutos Jesus Sacerdote e Sagrada Família em 1959; além da Associação dos Cooperadores Leigos em 1917. Hoje, os membros dessas fundações estão presentes em todos os continentes mostrando que é possível santificar-se e comunicar, a todas as pessoas, Jesus Cristo com os meios técnicos e eletrônicos. 

Após a fundação dos dois primeiros ramos - Paulinos e Paulinas - a vida de Alberione fundiu-se com suas obras nascentes. Acompanhava de perto a vida de seus filhos e filhas da Itália e do exterior com numerosas e prolongadas viagens. Preocupava-se não só com fundações e organizações, mas principalmente com a formação e a vida religiosa de seus seguidores, apesar do conturbado contexto histórico em que viveu: duas grandes guerras, revolução industrial, conflagrações nacionalistas e sociais, emancipação dos operários e da mulher, além de crises institucionais na família e na Igreja. 

Padre Tiago Alberione, jamais esmoreceu, continuou firme na sua fé, acreditando que a obra que realizava era querida e abençoada por Deus. Com humildade e coragem, o fundador da Família Paulina, o profeta e o apóstolo de uma evangelização moderna chegou ao fim de seus dias em 26 de novembro de 1971, aos oitenta e sete anos. 

O reconhecimento da santidade de Alberione já acontecera antes da declaração oficial da Igreja, especialmente com algumas declarações de dois papas seus amigos: o bem-aventurado João XXIII e Paulo VI. "Padre Alberione, veio ao meu encontro" - dizia o "papa bom". "Parecia-me ver a humildade personificada. Ele, sim, éi um grande homem!" E Paulo VI, na audiência concedida aos Paulinos em 27 de novembro de 1974, recordava: "Lembro-me do encontro edificante com padre Alberione, ajoelhado, em profunda humildade. Este é um homem, direi, que está entre as maravilhas do nosso século". 

O processo de beatificação percorreu um longo caminho. Após a morte de Alberione, foram apresentados à Igreja documentos sobre sua vida, sua missão apostólica e suas fundações, assim como documentos sobre sua santidade.

Baseados em um meticuloso exame desses elementos e reconhecidas as virtudes praticadas em grau heróico pelo servo de Deus, padre Tiago Alberione, o papa João Paulo II, em 25 de junho de 1996, declarou-o "venerável". 

Passaram-se sete anos à espera de um milagre que fosse reconhecido como autêntico pela Igreja. E o milagre chegou. 

A cura milagrosa atribuída ao padre Tiago Alberione, que o conduziu à beatificação, salvou Maria Librada Gonzáles Rodriguez, uma mexicana de Guadalajara. Em 1989, ela foi internada por causa de uma insuficiência respiratória provocada por uma tromboembolia pulmonar, com muitas crises. Pedindo a Deus a cura por intercessão de padre Alberione, doze dias depois teve alta. A cura foi reconhecida pela Congregação das Causas dos Santos, após a declaração da comissão médica que considerava a recuperação de Maria rápida, completa, duradoura e não-explicável à luz da ciência. 

E o dia da beatificação chegou: 27 de abril de 2003. Padre Tiago Alberione é proclamado "bem-aventurado" num reconhecimento oficial da Igreja àquele homem que foi um santo, um profeta e o pioneiro na evangelização eletrônica. 

***
A Família Paulina é constituída de cinco congregações religiosas: Sociedade de São Paulo (fundação 20/8/1914), Filhas de São Paulo (fundação 15/6/1915), Discípulas do Divino Mestre (fundação 10/2/1924), Irmãs de Jesus Bom Pastor (7/10/1938), Irmãs de Maria Santíssima Rainha dos Apóstolos ou Apostolinas (8/9/1959) e quatro Institutos agregados (8/4/1960): "Jesus Sacerdote" (para sacerdotes diocesanos), "São Gabriel Arcanjo" (para jovens e homens), "Anunciatinas (para moças) e "Santa Família" (para cônjuges e famílias). E também, a Associação dos Cooperadores Paulinos. 
"Tudo nos vem de Deus. Tudo nos leva ao Magnificat", dizia Alberione.

sexta-feira, 25 de novembro de 2011

QUE DEUS TE ACOLHA ASSIM NA SUA PROTEÇÃO!!!



É assim que Deus faz com quem procura abrigo Nele.
Aquele que habita no esconderijo do Altíssimo, à sombra do Onipotente descansará. 
(Salmos 91:1).

quinta-feira, 24 de novembro de 2011

Santo André Dung-Lac, presbítero, e seus companheiros, mártires



A evangelização do Vietnã começou no século XVI, através de missionários europeus de diversas ordens e congregações religiosas. São quatro séculos de perseguições sangrentas que levaram ao martírio milhares de cristãos massacrados nas montanhas, florestas e em regiões insalubres. Enfim, em todos os lugares onde buscaram refúgio. Foram bispos, sacerdotes e leigos de diversas idades e condições sociais, na maioria pais e mães de família e alguns deles catequistas, seminaristas ou militares. 

Hoje, homenageamos um grupo de cento e dezessete mártires vietnamitas, beatificados no ano jubilar de 1900 pelo papa Leão XIII. A maioria viveu e pregou entre os anos 1830 e 1870. Dentre eles muito se destacou o padre dominicano André Dung-Lac, tomado como exemplo maior dessas sementes da Igreja Católica vietnamita. 

Filho de pais muito pobres, que o confiaram desde pequeno à guarda de um catequista, ordenou-se sacerdote em 1823. Durante seu apostolado, foi cura e missionário em diversas partes do país. Também foi salvo da prisão diversas vezes, graças a resgates pagos pelos fiéis, mas nunca concordou com esse patrocínio. 

Uma citação sua mostra claramente o que pensava destes resgates: "Aqueles que morrem pela fé sobem ao céu. Ao contrário, nós que nos escondemos continuamente gastamos dinheiro para fugir dos perseguidores. Seria melhor deixar-nos prender e morrer". Finalmente, foi decapitado em 24 de novembro de 1839, em Hanói, Vietnã. 

Passada essa fase tenebrosa, veio um período de calma, que durou cerca de setenta anos. Os anos de paz permitiram à Igreja que se reorganizasse em numerosas dioceses que reuniam centenas de milhares de fiéis. Mas os martírios recomeçaram com a chegada do comunismo à região. 

A partir de 1955, os chineses e os russos aniquilaram todas as instituições religiosas, dispersando os cristãos, prendendo, condenando e matando bispos, padres e fiéis, de maneira arrasadora. A única fuga possível era através de embarcações precárias, que sucumbiam nas águas que poderiam significar a liberdade, mas que levavam, invariavelmente, à morte. 

Entretanto o evangelho de Cristo permaneceu no coração do povo vietnamita, pois quanto mais perseguido maior se tornou seu fervor cristão, sabendo que o resultado seria um elevadíssimo número de mártires. O papa João Paulo II, em 1988, inscreveu esses heróis de Cristo no livro dos santos da Igreja, para serem comemorados juntos e como companheiros de santo André Dung-Lac no dia de sua morte.

quarta-feira, 23 de novembro de 2011

A virtude da fortaleza



PAPA JOÃO PAULO II

3ª AUDIÊNCIA GERAL

Quarta-feira, 15 de Novembro de 1978

Caríssimos Filhos e Filhas

O Papa João Paulo I, falando da varanda da Basílica de São Pedro, no dia seguinte à sua eleição, recordou em especial que durante o Conclave de 26 de Agosto, quando tudo já indicava que ele precisamente seria escolhido, os Cardeais que lhe estavam ao lado lhe sussurraram ao ouvido: "Coragem!". Provavelmente esta palavra, naquele momento, era necessária para ele e imprimiu-se-lhe no coração, uma vez que logo no dia seguinte a recordou. João Paulo I me perdoará se agora me sirvo da sua confidência. Creio que ela conseguirá introduzir-nos do melhor modo, a nós todos aqui presentes, no tema que desejo desenvolver. De facto, desejo falar hoje da terceira virtude cardeal, isto é, da fortaleza. Exactamente a esta virtude nos referimos quando queremos exortar alguém a ter coragem, como fez o Cardeal vizinho a João Paulo I no Conclave, quando lhe disse: "Coragem!".

Quem julgamos nós ser homem forte, corajoso? Esta palavra evoca ordinariamente o soldado que defende a Pátria, expondo ao perigo a sua saúde e até a sua vida em tempo de guerra. Damo-nos porém conta que, mesmo em tempo de paz, precisamos de fortaleza. Por isso alimentamos grande estima pelas pessoas que se distinguem pela chamada "coragem civil". Um testemunho de fortaleza é-nos oferecido por quem expõe a própria vida para salvar alguém que está para afogar-se, ou pelo homem que traz o seu auxílio nas calamidades naturais, como incêndios, inundações, etc.

Certamente se distinguia por esta virtude São Carlos, o meu Patrono, que durante a peste de Milão exercia o seu ministério pastoral entre os habitantes dessa cidade. Mas pensemos também com admiração naqueles homens que escalam os píncaros do Everest ou nos cosmonautas quando pela primeira vez põem o pé na lua.

Como se conclui de tudo isto, as manifestações da virtude da fortaleza são numerosas. Algumas delas são muito conhecidas e gozam de certa fama. Outras são menos conhecidas, ainda que muitas vezes exijam uma virtude ainda maior. A fortaleza, de facto, como dissemos no princípio, é uma virtude, uma virtude cardeal. Permiti-me que atraia a vossa atenção para exemplos em geral pouco conhecidos, mas que em si mesmos testemunham grande virtude, às vezes mesmo heróica.

Penso, por exemplo, numa mulher, mãe de família já numerosa, a quem é "aconselhado" por muitos suprimir uma nova vida concebida no seu seio, submetendo-se "à intervenção" que interrompe a maternidade: e ela responde com firmeza: "não". Sem dúvida sente toda a dificuldade que este "não" traz consigo, dificuldade para ela, para o marido, para toda a família; apesar de tudo, responde: "não". A nova vida humana nela concebida é um valor demasiado grande, demasiado "sagrado", para ela poder sujeitar-se a tais pressões.

Mais um exemplo: um homem a quem é prometida a liberdade e até uma carreira fácil, contanto que renegue os seus princípios ou aprove alguma coisa que seja contra a sua honestidade para com os outros. E também ele responde: "não", mesmo defronte a ameaças, por um lado, e atractivos, por outro. Eis uni homem corajoso!

Muitas, muitíssimas são as manifestações de fortaleza, muitas vezes heróicas, de que não se escreve nos jornais ou de que pouco se sabe. Só a consciência humana as conhece... e Deus sabe-o!

Desejo prestar homenagem a todos estes corajosos desconhecidos. A todos os que têm a coragem de dizer "não" ou "sim", quando custa! Aos homens que dão testemunho singular de dignidade humana e profunda humanidade. Precisamente porque são desconhecidos, merecem homenagem e um reconhecimento particular.

Segundo a doutrina de São Tomás, a virtude da fortaleza encontra-se no homem,

— que está pronto a "aggredi pericula", isto é, a afrontar o perigo;

— que está pronto a "sustinere mala", isto é, a suportar a adversidade por uma causa justa, pela verdade, pela justiça, etc.

A virtude da fortaleza requer sempre alguma superação da fraqueza humana e sobretudo do medo. O homem, de facto, por natureza teme espontaneamente o perigo, os dissabores e os sofrimentos. preciso, por isso, procurar os homens corajosos não só nos campos de batalha, mas também nas salas dum hospital ou num leito de dor. Tais homens podiam-se encontrar muitas vezes nos campos de concentração e nos locais de deportação. Eram autênticos heróis.

O medo tira às vezes a coragem cívica aos homens que vivem num clima de ameaça, de opressão ou de perseguição. Especial valor têm então os homens que são capazes de transpor a chamada barreira do medo, com o fim de testemunhar a verdade e a justiça. Para chegar a tal fortaleza, o homem deve em certo modo "ultrapassar" os próprios limites e "superar-se" a si mesmo, correndo "o risco" de uma situação desconhecida, o risco de ser mal visto, o risco de expor-se a consequências desagradáveis, injúrias, degradações, perdas materiais, talvez a prisão ou as perseguições. Para conseguir tal fortaleza, o homem precisa de ser sustentado por grande amor pela verdade e pelo bem, a que se dedica. A virtude da fortaleza anda a par com a capacidade de cada um a sacrificar-se. Esta virtude tinha .já para os antigos um perfil bem definido. Com Cristo adquiriu um perfil evangélico, cristão. O Evangelho dirige-se aos homens fracos, pobres, mansos e humildes, mensageiros de paz, misericordiosos e, ao mesmo tempo, contém em si constante apelo à fortaleza. Repete muitas vezes: Não tenhais medo (Mt 14, 27). Ensina ao homem que, por uma justa causa, pela verdade, pela justiça, é preciso saber dar a vida (Jo 15, 13).

Desejo aqui referir-me a outro exemplo, que provém de há 400 anos, mas se conserva sempre vivo e actual. Trata-se da figura de São Estanislau Kostka, patrono dos jovens, cujo túmulo se encontra na igreja de Santo André ao Quirinal, em Roma. Aqui, de facto, terminou a sua vida aos 18 anos de idade este santo, por natureza muito sensível e terno, todavia muito corajoso.

A fortaleza levou-o, a ele proveniente de nobre família, a escolher ser pobre, seguindo o exemplo de Cristo, e a colocar-se ao seu serviço exclusivo. Embora a sua decisão encontrasse firme oposição. por parte do ambiente, conseguiu com grande amor, mas também com grande firmeza, realizar o seu propósito, expresso no mote: "Ad maiora natus sum" ("nasci para coisas maiores"). Chegou ao noviciado dos Jesuítas, percorrendo a pé o caminho de Viena a Roma e procurando fugir aos seus perseguidores que desejavam, pela força, afastar este "obstinado" jovem, dos seus intentos.

Sei que no mês de Novembro muitos jovens de toda Roma — especialmente estudantes, alunos, noviços — visitam o túmulo de Santo Estanislau na igreja de Santo André. Estou unido a eles, porque também a nossa geração precisa de homens que saibam com santa "obstinação" repetir: "Ad maiora natus sum". Temos necessidade de homens fortes!

Temos necessidade de fortaleza para ser homens. De facto, só é homem verdadeiramente prudente aquele que possui a virtude da fortaleza; assim como também só é homem verdadeiramente justo aquele que tem a virtude da fortaleza.

Peçamos este dom do Espírito Santo que se chama o "dom da fortaleza". Quando ao homem faltam as forças para "superar-se" a si mesmo em vista de valores superiores — como a verdade, a ,justiça, a vocação e a fidelidade matrimonial — é necessário que este "dom do alto" faça de cada um de nós um homem forte e, no devido momento, nos diga "no íntimo": coragem!

* * *

Saudações

Ao Conselho Superior das Pontifícias Obras Missionárias

Com particular intensidade de afecto dirijo agora a minha saudação aos Membros do Conselho Superior das Pontifícias Obras Missionárias, acompanhados a esta Audiência pelo Prefeito da Sagrada Congregação para a Evangelização dos Povos, o Eminentíssimo Cardeal Agnelo Rossi.

A vossa presença, filhos caríssimos, oferece-me oportunidade para exprimir, juntamente com a gratidão por este vosso gesto de sincera dedicação, a alta estima que dedico à actividade inteligente e industriosa por vós exercida com admirável dedicação, em serviço da causa missionária. Para o crente, deve esta ser a causa superior a todas, porque diz respeito ao destino eterno dos homens, porque obedece ao desígnio misterioso de Deus sobre o significado da vida e da história da humanidade, e porque habilita as diversas culturas a tenderem para a meta dum verdadeiro e completo humanismo.

Continuai, portanto, com entusiasmo inalterado, o vosso trabalho de animação missionária, em estreita relação, por um lado, com as Conferências Episcopais dos vossos Países e, por outro, com a Congregação de "Propaganda Fide", à qual pertence o encargo de coordenar os esforços de todos para metas comuns.

O Espírito de Cristo vos ilumine e ampare, juntamente com todos os que representais aqui, nesta vossa obra delicada e importantíssima para a vida da Igreja. O Papa está ao vosso lado com a sua oração e a sua Bênção.

Aos jovens casais

Uma saudarão e cordiais bons-votos aos jovens casais presentes na audiência. O sacramento do matrimónio leva o amor humano á perfeição constituindo-o símbolo da aliança que existe entre Cristo e a Igreja. Vivei-o a esta luz com fidelidade recíproca e com generosa confiança na ajuda de Cristo.

Aos doentinhos

O Papa abençoa-vos do coração. Atenção particular deseja o Papa reservar aos doentes, para lhes levar uma saudarão afectuosa e uma palavra de conforto e de ânimo. Vós, caros doentes, tendes um lugar importante na Igreja, se sabeis interpretar a vossa situação difícil à luz da fé e se, a esta luz, sabeis viver a vossa doença com coração generoso e forte. Cada um de vós pode então afirmar com São Paulo: "Completo na minha carne o que falta aos sofrimentos de Cristo, em favor do seu Corpo que é a Igreja" (Col 1, 24).

Falando do sofrimento humano, desviaria mencionar o caso da Senhora Marcella Boroli Balestrini, sequestrada em Milão a 9 de Outubro último e ainda não restituída às pessoas que lhe são caras, apesar do estado de gravidez avançada e das precárias condições de saúde. O Papa dirige a sua oração sentida ao Senhor, para que infunda — no coração dos raptores, e de todas as pessoas implicadas nos numerosos episódios de violência em todas as partes da Itália e do mundo — pensamentos de humana sensibilidade, a fim de que ponham fim a tantos, demasiados, sofrimentos atrozes, e indignos de Países civilizados. Entretanto, às vítimas e aos seus parentes chegue o conforto da minha Bênção paternal.

A um grupo de japoneses pertencentes à religião Tenrikyo

Desejaria dizer uma palavra especial aos jovens vindos do Japão e pertencentes à religião Tenrikyo. Aprendeis a dar testemunho de pobreza e de serviço aos outros, para terdes uma vida de felicidade e harmonia. Certifico-vos do meu respeito e das minhas orações ao Deus único, que reconhecemos como Criador de tudo, a fins de que Ele vos guie, vos acompanhe e vos de todas as bênçãos

terça-feira, 22 de novembro de 2011

Santa Cecília, virgem e mártir



Certa vez, o cardeal brasileiro dom Paulo Evaristo Arns assim definiu a arte musical: "A música, que eleva a palavra e o sentimento até a sua última expressão humana, interpreta o nosso coração e nos une ao Deus de toda beleza e bondade". Podemos dizer que, na verdade, com suas palavras ele nos traduziu a vida da mártir santa Cecília. 

A sua vida foi música pura, cuja letra se tornou uma tradição cristã e cujos mistérios até hoje elevam os sentimentos de nossa alma a Deus. Era de família romana pagã, nobre, rica e influente. Estudiosa, adorava estudar música, principalmente a sacra, filosofia e o Evangelho. Desde a infância era muito religiosa e, por decisão própria, afastou-se dos prazeres da vida da Corte, para ser esposa de Cristo, pelo voto secreto de virgindade. Os pais, acreditando que ela mudaria de idéia, acertaram seu casamento com Valeriano, também da nobreza romana. Ao receber a triste notícia, Cecília rezou pedindo proteção do seu anjo da guarda, de Maria e de Deus, para não romper com o voto. 

Após as núpcias, Cecília contou ao marido que era cristã e do seu compromisso de castidade. Disse, ainda, que para isso estava sob a guarda de um anjo. Valeriano ficou comovido com a sinceridade da esposa e prometeu também proteger sua pureza. Mas para isso queria ver tal anjo. Ela o aconselhou a visitar o papa Urbano, que, devido à perseguição, estava refugiado nas catacumbas. O jovem esposo foi acompanhado de seu irmão Tibúrcio, ficou sabendo que antes era preciso acreditar na Palavra. Os dois ouviram a longa pregação e, no final, converteram-se e foram batizados. Valeriano cumpriu a promessa. Depois, um dia, ao chegar em casa, viu Cecília rezando e, ao seu lado, o anjo da guarda. 

Entretanto a denúncia de que Cecília era cristã e da conversão do marido e do cunhado chegou às autoridades romanas. Os três foram presos, ela em sua casa, os dois, quando ajudavam a sepultar os corpos dos mártires nas catacumbas. Julgados, recusaram-se a renegar a fé e foram decapitados. Primeiro, Valeriano e Turíbio, por último, Cecília. 

O prefeito de Roma falou com ela em consideração às famílias ilustres a que pertenciam, e exigiu que abandonassem a religião, sob pena de morte. Como Cecília se negou, foi colocada no próprio balneário do seu palacete, para morrer asfixiada pelos vapores. Mas saiu ilesa. Então foi tentada a decapitação. O carrasco a golpeou três vezes e, mesmo assim, sua cabeça permaneceu ligada ao corpo. Mortalmente ferida, ficou no chão três dias, durante os quais animou os cristãos que foram vê-la a não renegarem a fé. Os soldados pagãos que presenciaram tudo se converteram. 

O seu corpo foi enterrado nas catacumbas romanas. Mais tarde, devido às sucessivas invasões ocorridas em Roma, as relíquias de vários mártires sepultadas lá foram trasladadas para inúmeras igrejas. As suas, entretanto, permaneceram perdidas naquelas ruínas por muitos séculos. Mas no terreno do seu antigo palácio foi construída a igreja de Santa Cecília, onde era celebrada a sua memória no dia 22 de novembro já no século VI. 

Entre os anos 817 e 824, o papa Pascoal I teve uma visão de santa Cecília e o seu caixão foi encontrado e aberto. E constatou-se, então, que seu corpo permanecera intacto. Depois, foi fechado e colocado numa urna de mármore sob o altar daquela igreja dedicada a ela. Outros séculos se passaram. Em 1559, o cardeal Sfondrati ordenou nova abertura do esquife e viu-se que o corpo permanecia da mesma forma. 

A devoção à sua santidade avançou pelos séculos sempre acompanhada de incontáveis milagres. Santa Cecília é uma das mais veneradas pelos fiéis cristãos, do Ocidente e do Oriente, na sua tradicional festa do dia 22 de novembro. O seu nome vem citado no cânon da missa e desde o século XV é celebrada como padroeira da música e do canto sacro.

segunda-feira, 21 de novembro de 2011

Apresentação de Nossa Senhora



Há preciosas lições para a vida quotidiana, proporcionadas por essa comemoração: como enfrentar os sofrimentos, cumprir as obrigações para com Deus e a necessidade de recorrer à Auxiliadora dos Cristãos

Valdis Grinsteins

A Apresentação é a festa estabelecida pela Santa Igreja para consagrar a memória de um solene acontecimento na vida de Maria Santíssima, sendo Ela ainda criança.
Uma tradição constante, cuja origem remonta aos primeiros tempos do Cristianismo, nos informa que a Virgem Santíssima, aos três anos de idade, foi apresentada ao Templo de Jerusalém, onde se consagrou em corpo e alma ao Senhor .(1).
O Oriente foi o primeiro a celebrar tal festa, como atesta um tópico da constituição do Imperador Manuel Commeno, em 1143. Dois séculos mais tarde tal comemoração passou ao Ocidente. O Papa Gregório XI introduziu-a no calendário romano, por volta de 1373.
A festa da Apresentação da Bem-aventurada Virgem Maria no Templo, além de celebrar esse episódio da vida de Nossa Senhora, visa recordar também todo o período que vai desde seu nascimento até a Anunciação do Anjo. Ao celebrá-la, a Igreja visa iluminar, tanto quanto possível, o silêncio existente na Sagrada Escritura a propósito do primeiro período da vida de Maria Santíssima.



Dotada da plenitude de suas faculdades, Nossa Senhora fez a Deus voto de castidade, tendo sido a primeira a portar esse sagrado estandarte, sob o qual se alistaram depois legiões de virgens.

Os judeus costumavam consagrar seus filhos ao serviço do Templo e fazer educar as meninas à sombra tutelar do sagrado edifício.

Tendo sabido Maria que seu pai e sua mãe -- Joaquim e Ana, cujos nomes significam respectivamente preparação do Senhor e graça -- fiéis a tão venerável costume, haviam prometido ao Senhor, ao pedir-Lhe um filho, que Lho ofereceriam, adiantou-se ao seu desejo e quis Ela mesma consagrar-se ao Senhor. E foi a primeira a lhes suplicar que cumprissem sua promessa. "Ana não vacilou, afirma São Gregório de Nissa, em aceder ao seu desejo; levou-A ao Templo, e A ofereceu ao Senhor".

Legiões de Anjos acompanham Maria Santíssima de Nazaré a Jerusalém

Vejamos como Ana e Joaquim fizeram a Deus o oferecimento d’Aquela que mais amavam no mundo. Saíram de Nazaré para Jerusalém, levando nos braços sua querida filha, que era muita pequena para enfrentar as fadigas de uma viagem de trinta léguas.

Associou-se a eles um reduzido número de parentes. "Porém os Anjos, diz São Gregório de Nicomédia, seguiam-nos e acompanhavam em numerosa coorte à terna e pura Virgem, que ia oferecer-se no altar do Senhor".

Quando os santos viajantes chegaram ao Templo, Maria Santíssima voltou-se para seu pai e sua mãe, osculou suas mãos, pediu-lhes a bênção e, sem vacilar um instante, subiu ao santuário.

Exemplo para nós: devemos cumprir o dever para com Deus sem delongas e com entusiasmo, recordando-nos daquela frase da Escritura: "Maldito o que faz a obra do Senhor com negligência" (Jer. 48, 10).

O próprio Deus celebrou aquele dia memorável em que viu entrar no Templo sua casta Esposa, porque nunca se havia apresentado uma criatura tão pura e tão santa (2).

Modelo de filha, esposa, mãe, viúva e sobretudo de virgem

Maria Santíssima apresenta-se sempre como modelo de mulher cristã.

Como filha, ensina o meio de conservar seu mais belo ornato: a inocência.

Como esposa, obedece, ora, trabalha e cala. José decide e Maria parte para Belém, para o Egito, para Nazaré, para Jerusalém. Mansidão, obediência, trabalho, oração e silêncio, eis os exemplos que dá.

Como mãe, Maria ensina à mulher o meio de cumprir o mais sagrado de seus deveres, zelando por seu Filho desde o Presépio até a Cruz. Que as mães católicas nunca abandonem a educação dos que farão sua felicidade ou sua desgraça.

Ainda como mãe, Nossa Senhora ensina à mulher como deve sofrer. Ela ofereceu seu Filho a Deus, consentindo de antemão nos tormentos do Calvário e em presenciar, ao pé da Cruz, a agonia de Jesus. As mães católicas têm em Maria Santíssima o modelo de como devem aceitar os sofrimentos que a Providência consente em lhes mandar, na sua condição de mães: com mansidão, em silêncio, e oferecendo-os continuamente a Deus.

Como viúva, Maria ensina o grande segredo da vida recolhida: as virtudes domésticas, os salutares conselhos, as orações mais longas e as boas obras, tanto mais meritórias ante Deus quanto feitas com mais amor e mais ocultas à vista humana. Eis o exemplo que a Virgem Santíssima proporciona às senhoras que são viúvas.

Porém, pairando acima das condições anteriores, concomitante com todas elas, está sua condição de virgem, imaculada desde a Sua concepção. E não é por acaso que na Ladainha Lauretana a invocação Sancta Virgo Virginum vem logo após a invocação Sancta Dei Genitrix,como a dizer que não poderia ser Mãe de Deus quem não fosse a Virgem das Virgens.

Foi a virgindade de Maria Santíssima que suscitou a vocação em milhões de moças, em toda a história da Igreja, para se oferecerem a Deus como virgens, formando inúmeras congregações e ordens religiosas, para orar, trabalhar, lutar e sofrer enquanto virgens. E quantas não houve, que para defender sua virgindade, não hesitaram em sofrer o martírio! A graça e a fortaleza para praticar tal heroísmo lhes vinha da sublime virgindade da Mãe de Deus.

Culto a Maria Santíssima favorecido, com milagres, por Deus

O culto a Nossa Senhora irradia na sociedade certo encanto e graça indefiníveis que dilatam o coração.

Com efeito, a mais doce, amável e pura das Virgens, designada também como sendo "terrível como um exército em ordem de batalha" e que esmaga a cabeça da serpente infernal, forma seus verdadeiros devotos à sua semelhança.

Assim são eles capazes das preces mais doces, mais filiais e mais ardorosas a Maria Santíssima; porém, ao mesmo tempo, são de uma firmeza inabalável nos princípios e uma combatividade incansável. Por exemplo, um São Bernardo -- o Doutor Melífluo --, grande pregador das Cruzadas.

Tanto nas atribulações quanto nas alegrias, devemos louvar Aquela que o Divino Redentor nos deu como Mãe, não A perdendo de vista um só instante.

Para isso foram compostos os hinos, cânticos e ladainhas em que se prodigalizam a Maria os mais belos títulos. E também executaram-se milhares de obras de arte inspiradas pelo culto da Rainha dos Anjos, da Mãe de Deus e dos homens.

Percorramos, por exemplo, a Europa inteira. Detenhamo-nos ante as magníficas catedrais e perguntemos o que, de modo especial, as fez brotar do solo com seus maravilhosos vitrais e imponentes torres. Levantar-se-á, então, uma voz das pedras, da tradição e dos anais dos povos para nos responder: o culto a Maria! Sim, foi esse culto que adornou o mundo católico com tantas belas igrejas, imponentes catedrais, suntuosas abadias, austeros conventos, recolhidos mosteiros, graciosas capelas e acolhedores hospitais.

De seu lado, o próprio Deus teve o cuidado de justificar, autorizar e incentivar o culto a Maria com grandes milagres e feitos prodigiosos. Estes últimos são tantos que seria longa tarefa querer enumerá-los todos aqui. Limitamo-nos a mencionar apenas dois.

Um deles foi a vitória obtida pelos católicos comandados pelo rei João Sobieski, da Polônia, para libertar Viena, que se encontrava sitiada pelos maometanos (1683). Tal vitória deu origem à festa em honra do Santíssimo Nome de Maria (vide epígrafe Destaque da presente edição).

Também a célebre batalha de Lepanto constituiu uma prova magnífica da proteção da Mãe de Deus em favor dos que A invocam confiantemente.

Encontrava-se a Cristandade seriamente ameaçada pelo avanço muçulmano. A situação chegou a um ponto crítico e as forças católicas -- em menor número do que os muçulmanos -- enfrentaram os inimigos da Santa Igreja, no histórico dia 7 de outubro de 1571, no golfo que deu origem ao nome daquela famosa batalha.

O Papa da época, o grande São Pio V, recebeu, por uma intervenção sobrenatural, a revelação da vitória no mesmo instante em que esta foi alcançada. O Santo Padre estava tão persuadido de que o triunfo de Lepanto fora obtido mediante a proteção particular da Virgem Santíssima, que instituiu a festa de Nossa Senhora da Vitória, a qual seu sucessor Gregório XIII fixou no dia 7 de outubro, sob o título de festa do Santíssimo Rosário da Bem-aventurada Virgem Maria.

Pelo mesmo motivo, São Pio V acrescentou na Ladainha Lauretana a invocação Auxilium Christianorum, ora pro nobis. Auxílio dos Cristãos, rogai por nós! Esta jaculatória, sobretudo em nossos conturbados dias, deve vir freqüentemente aos nossos lábios. E assim como a Auxiliadora dos Cristãos não deixou de atender aos católicos em Lepanto, igualmente Ela não negará seu poderoso auxílio a cada um de seus autênticos devotos! (3)

____________-

Notas:

1) Cfr. escritos São Gregório de Nissa, São João Damasceno, Santo André de Creta e São Gregório de Nicomédia -- veja Bento XIV, p. 532, e Canísio, lib. I, cap. 12, apud Catecismo de Perseveranciacitado na nota 3.

2) Bernardin. de Busto, Marian. p. 4, serm. I.

3) O presente artigo foi escrito com base nos comentários do conceituado autor francês do século passado Mons. J. Gaume, em sua obra Catecismo de Perseverancia, tomo VIII, Librería Religiosa, Barcelona, 1857. Também foram utilizados como fonte de referência o Nuovo Dizionario di Mariologia (preparado sob os cuidados de Stefano de Flores e Salvatore Meo, Edizioni San Paolo, Turim, 4ª ed., 1996) e a obra Physionomies de Saints, de Ernest Hello (Perrin, Paris, 1900).

domingo, 20 de novembro de 2011

NOSSO SENHOR JESUS CRISTO, REI DO UNIVERSO



Leituras: Ez 34, 11-12; 15-17; 1 Cor 15, 20-26;28; Mt 25, 31-46

Na ábside de várias igrejas européias dos séculos 11 e 12, se apresenta em toda sua beleza artística e transparência espiritual, a imagem em mosaico do “Cristo, Senhor de todas as coisas – Rei do universo”, o Cristo “Pantocrator”, segundo a clássica expressão da linguagem da arte cristã antiga e medieval, e dos ícones. É também muito comum encontrar nas paredes interiores das igrejas cenas do AT e do NT; da criação (Gênesis) até a multidão dos redimidos sem número, que seguem o Cordeiro imolado e vivente rumo ao trono do Pai, celebrando a glória do Altíssimo (Apocalipse).

O Cristo é normalmente representado em atitude majestosa e severa, e ao mesmo tempo compassiva e acolhedora, os braços abertos para acolher o mundo inteiro, os olhos cheios de luz e compaixão, na mão esquerda o livro aberto da vida, e a mão direita abençoando, segundo o uso ortodoxo[1].

A linguagem da beleza exprime com grande potência a intuição profunda da fé da Igreja, resumida, em maneira simbólica, na carta de Paulo aos Colossenses: “Tudo foi criado por ele e para ele..... É a cabeça da Igreja que é seu corpo. É o principio, o primogênito dos mortos, tendo em tudo a primazia, pois nele aprouve a Deus fazer habitar toda a plenitude e reconciliar por ele todos os seres, os da terra e os dos céus, realizando a paz pelo sangue da sua cruz” (Cl 1, 16-20).

“Por Cristo, com Cristo e em Cristo, a Vós, Deus Pai onipotente na unidade do Espírito Santo, toda honra e toda a glória, agora e para sempre”, canta, ou proclama em voz alta o Presidente da celebração, na solene Doxologia ao final da Oração Eucarística. Em seguida, a assembléia dos fieis proclama seu assenso com o canto poderoso do “Amém!”.

A imagem do Cristo Pantocrator das antigas igrejas e a doxologia solene da Oração eucarística exprimem, com a linguagem da beleza e da adoração, o sentido mais profundo da liturgia do domingo de “Cristo Rei do universo”, com o qual a Igreja vai concluir a celebração do mistério pascal de Cristo, que foi desenvolvendo-se através do inteiro ano litúrgico.

De fato, este 34o domingo é o último do ano litúrgico. Em maneira surpreendente, seu horizonte espiritual coincide com o do primeiro domingo de Advento, que é também o primeiro do novo ano litúrgico. Jesus Cristo, o Verbo encarnado, crucifixo e ressuscitado, agora glorificado à direita do Pai, é a meta e o fim da história da nossa salvação e, ao mesmo tempo, é seu fundamento e início.

Um ciclo litúrgico inicia onde o primeiro acaba, de um ano para outro, num movimento em espiral ascendente sem cessar, na interação recíproca, até que o dinamismo transformador da páscoa manifeste todas suas potencialidades na vida dos homens e das mulheres que estão caminhando na espera da vinda gloriosa do Senhor.

O ano litúrgico, com sua linguagem ritual e sacramental, manifesta e nos faz experimentar, através das variadas celebrações que articulam seu movimento ao redor da páscoa, o dinamismo do Espírito que atua no seio escondido e fecundo da história, até, e na espera, da vinda gloriosa de Cristo.

A espiritualidade, alimentada pelo Advento e pela celebração do Cristo, Rei do universo, constitui uma realidade articulada e indivisível. É o âmago da espiritualidade cristã. É a espiritualidade da encarnação e da tensão escatológica. Do compromisso na história do hoje, e da liberdade de quem exerce o discernimento no Espírito, e enxerga mais à frente como o profeta.

A espiritualidade que conjuga os dois pólos do ano litúrgico tem múltiplos aspectos que interagem entre si: compromisso para realizar a novidade do reino de Deus na própria vida e na sociedade; confiante espera da sua plenitude na vinda gloriosa do Senhor ao fim dos tempos; atenção às misteriosas visitas do Senhor na vida cotidiana e obediência generosa às suas exigências (cf Mt 25, 31-46. Evangelho); memória fecunda da vinda do Senhor na humildade da encarnação, alimentada pela consciência que tal processo ainda continua no mesmo estilo, e solicita de nós nossa completa adesão. Nessa linha, Jesus diz que “o reino de Deus não vem ostensivamente... porque está entre vós” (Lc 17, 20-21).Estas atitudes interiores e este estilo de atuar na vida promovem e exigem um autêntico “espírito contemplativo”, atento à realidade profunda da existência, e alimentado pela intimidade com Deus na constante oração.

A oração do dia traduz em termos de invocação a grande contemplação teológica de Paulo, que abre a carta aos Efésios, como uma solene sinfonia de louvor. Ele constata com estupor que a Deus, quando o tempo se cumpriu segundo seu misterioso desígnio, aprouve tomar a decisão de “em Cristo encabeçar todas as coisas, as que estão nos céus e as que estão na terra” (Ef 1,9-10). 

“Deus eterno e todo poderoso, que dispusestes restaurar todas as coisas no vosso amado Filho, rei do universo, fazei que todas as criaturas, libertas da escravidão e servindo à vossa majestade, vos glorifiquem eternamente”. (Oração do dia)

A tradução do verbo grego “anakefalein” com “encabeçar” (Bíblia de Jerusalém), diz literalmente “fazer encontrar em Cristo” a cabeça, o princípio vital que alimenta, unifica e orienta a existência de toda a realidade. A tradução do mesmo verbo com “restaurar”, (texto litúrgico), privilegia o sentido de “reconduzir toda a realidade” à seu destino inicial, ao seu fim, segundo o projeto original de Deus. Este é também o sentido profundo do caminho cristão pessoal. Esta orientação para Cristo infunde um dinamismo incessante de conversão do coração e unifica a existência.

No centro da visão expressa pelo apóstolo, na carta aos Efésios, assim como na carta aos Coríntios, proclamada hoje, (segunda leitura), está a primazia de Cristo. Ele exercita seu senhorio sobre a criação, o pecado, a morte, e a história inteira, orientando-a novamente ao Pai com o dinamismo transformador do Espírito Santo. Desde já, os que foram alcançados pela misericórdia de Deus com o dom da fé, participam desta “realeza espiritual” de Jesus: “Mas Deus,... quando estávamos mortos em nossos delitos, nos vivificou juntamente com Cristo... e com ele nos ressuscitou e nos fez assentar nos céus, em Cristo” (Ef 2, 4-6). 

A vida presente dos cristãos se torna já de fato uma vida de “ressuscitados”, de vencedores da morte, em Cristo. Homens e mulheres capazes de exercitar sua liberdade diante do mal, que continua habitando o coração deles e o mundo, e diante das armadilhas das situações e das coisas que atraem a si e dominam as pessoas, mas se revelam inconsistentes (cf Cl 3, 1-4).

A reconciliação entre judeus e gregos com base na cruz de Cristo, (Ef 2, 11-18), constitui o início e o símbolo do dinamismo universal da páscoa. Este tende, pela energia do Espírito do ressuscitado, a reconduzir tudo e todos à sua vocação original, à unidade e à comunhão nas diversidades. Impele para “encabeçar”, “restaurar”, tudo no amado Filho, e, nele, nos amados filhos e filhas.

Na primeira carta aos coríntios (segunda leitura), Paulo destaca com vigor o início da constituição da nova humanidade em Cristo, a partir da sua ressurreição. O confronto entre Adão, origem de um processo de morte que atinge toda a humanidade, e Cristo, “primícias” do processo de ressurreição que atingirá “todos os que pertencem a Cristo” até sua vinda gloriosa, fortalece a visão de uma progressiva afirmação da “realeza” do próprio Cristo. Ela se torna efetiva na medida em que cada um se abre à sua energia transformadora, “para que Deus seja tudo em todos” (1 Cor 15, 28).

O concílio Vaticano II pôs em evidência como o batismo coloca todos os cristãos na condição de participar à dimensão sacerdotal, profética e real de Cristo. A vida e as atividades concretas pessoais, familiares, profissionais, constituem para cada um o lugar e as condições nas quais é chamado a fazer presente, com suas atitudes interiores e suas escolhas, o senhorio que partilha com o próprio Cristo (LG 36).

O filho do homem, ao “assentar-se no seu trono glorioso, acompanhado por todos os anjos” (Mt 25, 31), para exercitar o grande juízo escatológico sobre os povos e os indivíduos, fará vir à luz, a verdade que se passou escondida no secreto das consciências e sob as aparências do eventos.

“Vinde, benditos de meu Pai! Recebei como herança o reino que meu Pai vos preparou desde a criação do mundo!” ( Mt 25,34). Cada um gostaria ouvir para si estas palavras abençoadas do Senhor, ao encontrar-se com ele! Na realidade, como já na parábola dos talentos, somos nós a colocarmos as palavras de vida ou as de maldição na boca do juiz e pastor, dependendo se, ao longo da vida, teremos reconhecido e servido com amor ou não o mesmo Senhor, nas pessoas de todos os necessitados.

Como a “vida eterna”, segundo a linguagem mística de João, é por nós participada desde o presente pela fé e o amor aos irmãos, pois neles se manifesta a verdade do único mandamento do amor a Deus e ao próximo, assim a triste exclusão dela, infelizmente, está sendo construída pelo nosso próprio descuido para com eles.

“Pois eu estava com fome e me destes de comer; eu estava com sede e me destes de beber.... Senhor, quando foi que te vimos com fome....Em verdade eu vos digo que todas as vezes que fizestes isso a um dos meus irmãos, foi a mim que o fizestes!.... Todas as vezes que não fizestes isso a um desses pequeninos, foi a mim que não o fizestes” (Mt 25, 35.38.40.45).

O juiz que desvela a verdade de cada um a si próprio é o mesmo pastor que tem cuidado, com ternura e força, de cada ovelha, como se fosse uma filha. Por isso, exige que os chamados a guiar e animar a comunidade tenham a coração antes de tudo as necessidades das ovelhas mais fracas, e não o próprio interesse. Cada um também, ao mesmo tempo, é responsável pelo seu irmão (Ez 34, 11-12. 15-17), e disso irá responder.

No estilo com que é exercitada a autoridade e são vivenciadas as relações recíprocas na comunidade cristã, se manifesta e se atua nela a realeza de Cristo, o crucificado por amor, ou então, ela realeza, é desmentida para dar lugar ao poder mundano, embora este se esconda sob a máscara das estruturas eclesiásticas e dos ritos sagrados.

O Juiz divino destaca, como única justificativa para ter acesso à herança do Pai, o amor para ele, escondido nos necessitados, e a procura do autêntico sentido da vida, mesmo quando a pessoa não conseguir alcançar o conhecimento explícito do próprio Cristo. Quantos hoje, entre nossos irmãos e irmãs em humanidade, vivem esta peregrinação interior rumo à Verdade!

Uma jovem poetisa italiana, Ilaria Bevacqua, interpreta muito bem esta procura incessante da verdade e da vida, que brota do coração sincero. Seu titulo significativo é “Roubei...” (2011).

“Roubei as estrelas ao céu / presenteando aos olhos apagados / a beleza de descobrir.//Roubei a água ao mar / para dar o gosto saboroso /a quem procura na insipidez / o segredo da vida. // Roubei os minutos ao tempo / para doar a lentidão / a quem corre e não acaba de chegar//.Roubei... tudo e nada.... Não satisfeita, porém, ainda... roubarei”.

Com esta meditação sobre a solenidade de Cristo rei do universo, que vai concluir o ano litúrgico 2010-2011, eu mesmo vou despedir-me dos amigos leitores que acompanharam nosso caminho, seguindo o Senhor na progressiva manifestação do seu mistério pascal. 

Agradecendo a todos pela atenção fraternal, desejo para eles e elas e para mim mesmo, que a bondade do mesmo Cristo, bom Pastor, continue nos acompanhando na espera da sua vinda gloriosa.


[1] Um exemplo de particular relevo é o Pantocrator da catedral de Cefalú (ano 1156), na Sicília, Itália. Esta e outras imagens do Cristo Pantocrator podem ser encontradas na rede mundial de computadores através de uma ferramenta de busca colocando os dizeres “cristo pantocrator”.

Dom Emanuele Bargelini, monge Beneditino Camaldolense. Prior do Mosteiro da Transfiguração em Mogi das Cruzes-SP e Doutor em liturgia pelo Pontifício Ateneu Santo Anselmo de Roma.

sábado, 19 de novembro de 2011

São Roque González, Santo Afonso Rodríguez e São João Del Castillo, presbíteros e mártires



"Matastes a quem tanto vos amava. Matastes meu corpo, mas minha alma está no céu." (Roque) 

Contam os escritos que estas palavras foram ouvidas pelos índios que assassinaram o missionário jesuíta Roque Gonzalez e seus companheiros, padres Afonso Rodrigues e João de Castillo, em 1628. As palavras foram prodigiosamente proferidas pelo coração de padre Roque, ao ser transpassado por uma flecha, porque o fogo não tinha conseguido consumir. 

Os três padres eram jesuítas missionários na América do Sul, no tempo da colonização espanhola. Organizavam as missões e reduções implantadas pela Companhia de Jesus entre os índios guaranis do hoje chamado Cone Sul. O objetivo era catequizar os indígenas, ensinando-lhes os princípios cristãos, além de formar núcleos de resistência indígena contra a brutalidade que lhes era praticada pelos colonizadores europeus. Elas impediam que eles fossem escravizados, ao mesmo tempo que permitiam manter as suas culturas. Eram alfabetizados através da religião e aprendiam novas técnicas de sobrevivência e os conceitos morais e sociais da vida ocidental. Era um modo comunitário de vida em que todos trabalhavam e tudo era dividido entre todos. O grande sucesso fez que os colonizadores se unissem aos índios rebeldes, que invadiam e destruíam todas as missões e reduções, matando os ocupantes e pondo fim à rica e histórica experiência. 

Roque foi um sacerdote e missionário exemplar. Era paraguaio, filho de colonizadores espanhóis, nascido na capital, Assunção, em 1576. A família pertencia à nobreza espanhola, o pai era Bartolomeu Gonzales Vilaverde e a mãe era Maria de Santa Cruz, que o criaram na virtude e piedade. Aos quinze anos, decidiu entregar sua vida a serviço de Deus. Ingressou no seminário e, aos vinte e quatro anos de idade, foi ordenado sacerdote. Padre Roque quis trabalhar na formação espiritual dos índios que viviam do outro lado do rio Paraguai, nas fazendas dos colonizadores. 

O resultado foi tão frutífero que o bispo de Assunção o nomeou pároco da catedral e depois vigário-geral da diocese. Mas ele renunciou às nomeações para ingressar na Companhia de Jesus, onde vestiu o hábito de missionário jesuíta em 1609. Depois, passou toda a sua vida a serviço dos índios das regiões dos países do Paraguai, Argentina, Uruguai, Brasil e parte da Bolívia. Em 1611, chefiou por quatro anos a redução de Santo Inácio Guaçu. Em 1626, fundou quatro reduções: Candelária, Caaçapa-Mirim, Assunção do Juí e Caaró. 

Foi na Redução de Caaró, atualmente pertencente ao Brasil, que os martírios ocorreram, em 15 de novembro de 1628. Depois de celebrar a missa com os índios, padre Roque estava levantando um pequeno campanário na capela recém-construída, quando índios rebeldes, a mando do invejoso e feiticeiro Nheçu, atacaram aquela e a vizinha Redução de São Nicolau. Mataram todos e incendiaram tudo. Padre João de Castillo morreu naquela de São Nicolau, enquanto padre Afonso Rodrigues, que ficou na de Caaró, morreu junto com padre Roque Gonzales, esse último com a cabeça golpeada a machado de pedra. 

Dois dias depois, os índios rebeldes voltaram para saquear os escombros. Viram, então, que o corpo de padre Roque estava pouco queimado, então transpassaram seu coração com uma flecha. Foi aí que ocorreu o prodígio citado no início deste texto e mantido pela tradição. Eles foram beatificados pelo papa Pio XI em 1934 e canonizados pelo papa João Paulo II em 1988, em sua visita à capital do Paraguai. A festa de são Roque Gonzales ocorre no dia 17 de novembro.

sexta-feira, 18 de novembro de 2011

Reunião da Comissão Bíblico-catequética define ações para 2012



QUI, 17 DE NOVEMBRO DE 2011 15:50 / ATUALIZADO - QUI, 17 DE NOVEMBRO DE 2011 16:14POR: CNBB


A sede das Pontifícias Obras Missionárias (POM), em Brasília, foi palco da primeira reunião da nova presidência da Comissão Episcopal Pastoral para a Animação Bíblico-catequética, da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB). Além dos bispos, padres e assessores, estiveram reunidos os integrantes do Grupo de Reflexão Catequética (Grecat) e do Grupo de Reflexão Bíblica (Grebin), que integram a Comissão Episcopal.

Dos dias 15 a 19, todos os participantes aprofundarão os estudos das Diretrizes Gerais da Ação Evangelizadora da Igreja no Brasil (DGAE), elaboraram os planos de ações, tanto do Grecat, quanto do Grebin, para os próximos anos, como definiram o tema e o lema do Mês da Bíblia de 2012, que será, respectivamente, “Discípulos Missionários a partir do Evangelho de Marcos”, e “Levanta-te e vem, o senhor te chama”. Além disso, o padre Luiz Alves de Lima detalhou a Carta Apostólica Porta Fidei, em que o papa Bento XVI proclama o próximo ano como sendo o “Ano da Fé”.

Houve ainda um momento, dentro das várias reuniões que aconteciam nas POM, para que a Comissão Bíblico-catequética avaliasse o 1º Congresso de Animação Bíblico de Pastoral, que aconteceu em Goiânia, de 8 a 12 de outubro passados. Segundo o presidente da Comissão, dom Jacinto Bergmann, que é arcebispo de Pelotas (RS), o Congresso foi aprovado, tanto pelos participantes, quanto pela equipe promotora do evento.

Uma das assessoras da Comissão, Cecília Rover, disse que a série de reuniões é muito significativa para o trabalho da Comissão e no bom desempenho das atividades cotidianas.

Já o padre Décio José Walker, também assessor da Comissão, definiu como rica a sua primeira participação como assessor da CNBB. “Esta é minha primeira reunião e estou muito satisfeito pela riqueza de conhecimento que cada participante traz. Aqui podemos sentir um verdadeiro espírito de colaboração com a Igreja no Brasil”, disse.

A coordenadora de Catequese do Regional Sul 2 da CNBB (Paraná), Regina Helena Mantovani, integrante do Grecat, também destacou o conhecimento dos participantes, que, segundo ela, faz com que as reunião sejam sempre muito produtivas, com aprofundamento de temas e assuntos que são fundamentais para os catequistas de todo o país.

Lançamento


Convidado especial da reunião, o padre português, José Belinquete, lançou oficialmente no Brasil o seu livro “História da Catequese em Portugal, Brasil, Angola, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, São Tomé e Príncipe e Timor Leste”. O padre fez um trabalho minucioso de pesquisa, ao longo de 15 anos, que abrangeu todas as bibliotecas públicas de Portugal e outras do exterior. O livro conta com 1600 páginas e é dividido em dois volumes.



“História da Catequese pretende revelar os catecismos elaborados em diversas línguas pelos missionários portugueses. Ao longo das páginas do livro, o leitor encontrará temas importantes como a história da catequese desde Jesus e dos Apóstolos, passando pelos primeiros séculos da Igreja e pela parte relativa a Portugal, até à impressão do primeiro catecismo em 1489 e ao concílio de Trento”, disse o autor e coordenador do livro, padre José Belinquete.

Além disso, o livro conta ainda a história da catequese junto dos povos que os portugueses foram encontrando nas suas andanças pelo mundo: Índia/Goa, Costa do Malabar, Malaca e Singapura, Ceilão, Japão, China, Camboja, Coréia, Vietnã, Tibete, Etiópia ou Abissínia, Macau, Timor, Cabo Verde, Guiné, Benim, Angola, Moçambique e Brasil

quinta-feira, 17 de novembro de 2011

Santa Isabel da Hungria



Isabel da Hungria era princesa, foi rainha e se fez santa. Era a filha do rei André II, da Hungria, e da rainha Gertrudes, de Merano, atual território da Itália. Nasceu no ano de 1207, e naquele momento foi dada como esposa a Luís, príncipe da Turíngia, atual Alemanha. Desde os quatro anos viveu no castelo do futuro marido, onde foram educados juntos. 
O jovem príncipe Luís amava verdadeiramente Isabel, que se tornava cada dia mais bonita, amável e modesta. Ambos eram católicos fervorosos. Luís admirava a noiva, amável nas palavras e atitudes, que vivia em orações e era generosa em caridade com pobres e doentes. 

A mãe de Luís não gostava da devoção da sua futura nora, e tentou convencer o filho de desistir do casamento, alegando que Isabel seria uma rainha inadequada politicamente. A própria Corte a perseguia por causa de seu desapego e simplicidade cristã. Mas Luís foi categórico ao dizer preferir abdicar do trono a desistir de Isabel. Certamente, amava-a muito. 

No castelo de Wartenburg, quando atingiu a maioridade, foi corado rei e casou-se com Isabel, que se tornou rainha aos catorze anos de idade. Ela foi a única soberana que se recusou a usar a coroa, símbolo da realeza, durante a cerimônia realizada na Igreja. Alegou que, diante do nosso Rei coroado de espinhos, não poderia usar uma coroa tão preciosa. Foi assim que o então rei Luís IV acompanhou a seu desejo e tornou-se rei sem colocar a sua coroa, também, diante de Cristo. 

Foi um casamento feliz. Ele era sincero, paciente, inspirava confiança e era amado pelo povo. Nunca colocou obstáculos à vida de oração, penitência e caridade da rainha, sendo, ao contrário, seu incentivador. Em Marburg, Isabel construiu o Hospital de São Francisco de Assis para os pobres e doentes leprosos. Além de ajudar com seu dinheiro muitos asilos e orfanatos, os quais visitava com freqüência. 

Depois de seis anos, a rainha Isabel ficou viúva, com três filhos pequenos. O rei Luís IV, participando de uma cruzada, morreu antes de voltar para a Alemanha. A partir de então, as perseguições da Corte contra ela aumentaram. A tolerância quanto à sua caridade e dedicação religiosa acabou de vez. E o cunhado, para assumir o poder, expulsou-a do palácio junto com os três reais herdeiros ainda crianças. 

Isabel ingressou, então, na Ordem Terceira de São Francisco e dedicou-se à vida de religião e à assistência aos leprosos no hospital que ela própria havia construído. Quando os cruzados que acompanhavam seu marido retornaram à Alemanha, ficaram indignados ao constatar como a rainha viúva e os herdeiros haviam sido tratados. Conseguiram fazer a viúva rainha Isabel reassumir o trono, que depois entregou ao seu filho, na maioridade. 

Isabel da Hungria faleceu no dia 17 de novembro de 1231, com apenas vinte e quatro anos de idade, em Marburg, Alemanha. Quatro anos depois, em 1235, foi canonizada pelo papa Gregório IX. A Ordem Franciscana Secular venera-a como sua padroeira na festa celebrada no dia de sua morte.