Rádio

sábado, 27 de dezembro de 2008

Shekinah Emanuel

(Trio Ir ao Povo)

Apareceu lá no acampamento
Montou a sua tenda entre nos
Compartilhou dos nossos sentimentos
Ouvia pressuroso a nossa voz

Shekinah Emanuel
Deus desceu do céu
Visitou se revelou
Deus se revelou

Impressionou por sua caridade
Chorou com quem chorava demais
Foi semeando luz e liberdade
Encheu o acampamento de paz

domingo, 7 de dezembro de 2008

Hino ao amor-caridade (1Cor 13,1-13)

Se eu falasse a língua dos homens e as dos anjos, mas não tivesse amor, eu seria como um bronze que soa ou um címbalo que retine.

Se eu tivesse o dom da professia, se conhecesse todos os mistérios e toda a ciência, se tivesse toda a fé, a ponto de remover montanhas, mas não tivesse amor, eu nada seria.

Se eu gastasse todos os meus bens no sustento dos pobres e até me entregasse como escravo, para me gloriar, mas não tivesse o amor, de nada me aproveitaria.

O amor é paciente, é benfazejo; não é invejoso, , não é presunçoso, nem se incha de orgulho; não faz nada de vergonhoso, não é interesseiro, não se encoleriza, não leva em conta o mal sofrido; não se alegra com a injustiça, mas fica alegre com a verdade. Ele desculpa tudo, crê tudo, espera tudo, suporta tudo.

O amor jamais se acabará. As professias desaparecerão, as línguas cessarão, a ciência desaparecerá. Com efeito, o nosso conhecimento é limitado, como também é limitado o nosso profetizar. Mas quando vier o que é perfeito, desaparecerá o que é imperfeito. Quando eu era criança, falava como criança, pensava como criança, raciocinava como criança. Quando me tornei adulto, rejeitei o que era próprio de criança. Agora nós vemos num espelho, confusamente; mas, então, veremos face a face. Agora conheço apenas em parte, mas, então, conhecerei completamente, como soou conhecido.

Atualmente permanecem estas três: a fé, a esperança, o amor. Mas a maior delas é o amor.

quarta-feira, 3 de dezembro de 2008

Questão de decisão

Compreender o amor, por vezes, é uma tarefa muito exigente. Talvez o amor não existe para ser compreendido. O fato é que o amor existe, isso é certeza. Ele não é uma idéia, ideologia ou utopia. Ele existe e está bem mais próximo do que poderíamos imaginar.

O amor é concreto, real. Não é um simples sentimento. Não é surreal, mágico, sobrenatural. Não, ele é mais, muito mais do que isso. Não é uma questão de escolha nossa pois fomos criados pelo próprio Amor para amar.

Amar é real, é ação no aqui e no agora de nossa vida. Amar é decisão, é doar-se, entregar-se todo e por inteiro aos que estão à nossa volta, sem restrições nem exigências. Basta ver o exemplo de Jesus Cristo, que "tendo amado os seus que estavam no mundo, amou-os até o fim" (Oração Eucarística IV, Memorial do Senhor).

Decidamo-nos pois, pelo amor!