Postagens

Mostrando postagens de Março, 2012

São Basílio e a fé no Espírito Santo

CIDADE DO VATICANO, sexta-feira, 23 de março de 2012 (ZENIT.org) - Publicamos o texto da terceira pregação de Quaresma do padre Raniero Cantalamessa, O.F.M.Cap., pregador da Casa Pontifícia, tida nesta manhã na Capela "Redemptoris Mater” no Vaticano.
***
1. A fé termina nas coisas
O filósofo Edmund Husserl resumiu o programa da sua fenomenologia no lema: Zu den Sachen selbst!, dirigir-se para as mesmas coisas, para as coisas como elas realmente são na realidade, antes da conceituação e formulação delas. Outro filósofo, vindo depois dele, Sartre, diz que "as palavras e, com elas, o significado das coisas e os modos do seu uso” são apenas “os sinais sutis de reconhecimento que os homens têm traçado na superfície deles": é necessário superá-los para ter a súbita revelação, que tira o fôlego, da "existência" das coisas (J.-P. Sartre, La Nausea, trad. ital, Milano 1984, p. 193 s, Tradução Portuguesa nossa).
Santo Tomás de Aquino tinha formulado muito antes um princ…

"Vinde, Espírito Criador"

Imagem
Pe. Cantalamessa explica o trabalho ordenador do Espírito Santo


Por Antonio Gaspari
CIDADE DO VATICANO, sexta-feira 23 de março de 2012 (ZENIT.org) – Na sua terceira pregação de Quaresma Padre Raniero Cantalamessa mostrou a obra iluminante e criadora do Espírito Santo.
Referindo-se aos ensinamentos de São Basílio, o Grande, (329-379), o pregador da Casa Pontifícia explicou que o Espírito Santo "não pertence ao mundo das criaturas, mas ao do Criador e a prova é que o seu contato nos santifica, nos diviniza, o que não poderia fazer se não fosse ele mesmo Deus".
Ambrósio disse a este respeito que "Quando o Espírito começou a pairar sobre ele, o criado ainda não tinha nenhuma beleza. Em vez disso, quando a criação recebeu a operação do Espírito, obteve todo este esplendor de beleza que a fez brilhar como 'mundo' ".
"Em outras palavras - disse o padre Cantalamessa - o Espírito Santo é aquele que transforma a criação, do caos para o cosmos, que faz dela algo …

Levar Cristo ao centro da história para levar o homem ao centro da vida

Imagem
Diálogo de Bento XVI com os jornalistas durante o vôo papal
CIDADE DO VATICANO, sexta-feira, 23 de março de 2012(ZENIT.org) – O Papa olha para o México e Cuba, mas seus pensamentos se dirigem a todo o continente latino americano. Explicou Bento XVI aos jornalistas que seguem sua visita pastoral. O objetivo de sua viagem é levar Cristo e seu amor ao centro da história, para levar o homem ao centro da vida.
Como sempre- informa o jornal L ´Osservatore Romano- em um clima cordial aconteceu o encontro com 72 jornalistas representantes da imprensa internacional no inicio da viagem. Durante o vôo até a cidade mexicana de León o papa se reuniu com os jornalistas às 11 da manhã, acompanhado pelo diretor da Sala de Imprensa da Santa Sé, padre Federico Lombardi.
As perguntas ao pontífice fizeram referência à difícil situação do México, atormentado pela violência destrutiva do narcotráfico; ao papel da Igreja no continente entre contrastes sociais e debates sobre a influência da “teologia d…

A «esmola» e a «justiça»

Imagem
JOÃO PAULO II
20ª AUDIÊNCIA GERAL
Sala Paulo VI Quarta-feira, 28 de Março de 1979
1. Paenitemini et date eleemosynam (Cfr. Mc. 1, 15 e Lc. 12, 33)
A palavra «esmola» não gostamos hoje de a ouvir. Encontra-mos nela alguma coisa de humilhante. Esta palavra parece supor um sistema social em que reina a injustiça, a desigual distribuição dos bens, um sistema que deveria ser mudado com reformas adequadas. E se tais reformas não fossem realizadas, delinear-se-ia no horizonte da vida social a necessidade de mudanças radicais, sobretudo no campo das relações entre os homens. A mesma convicção encontramo-la nos Profetas do Antigo Testamento, a que muitas vezes recorre a liturgia no tempo da Quaresma. Os Profetas consideram este problema a nível religioso: não há verdadeira conversão a Deus, não pode haver «religião» autêntica sem reparar injúrias e injustiças nas relações entre os homens, na vida social. E mesmo neste contexto, exortam os Profetas à esmola.
Não usam sequer a palavra «esmola»,…

Beatificação do cardeal Van Thuan pode ocorrer em breve

Imagem
Bispos do Vietnã estão esperançosos

ROMA, quinta-feira, 22 de março de 2012 (ZENIT.org) - A Igreja no Vietnã manifestou a esperança de que em breve aconteça a beatificação do cardeal Van Thuan.
“Os bispos, os fiéis e toda a Igreja do Vietnã têm grandes esperanças no sucesso do processo de beatificação do nosso querido cardeal Xavier Van Thuan. Ele era uma pessoa especial, que viveu o evangelho como o único critério da sua vida”. Quem fala é Paul Nguyen Thai Hop, OP, bispo de Vinh e presidente da Comissão Justiça e Paz da Conferência Episcopal do Vietnã, na véspera da chegada de uma delegação vaticana do Conselho Pontifício para a Justiça e a Paz.
A delegação permanecerá no Vietnã de 23 de março a 9 de abril, coletando testemunhos sobre a vida e a obra do cardeal Francis Xavier Nguyen Van Thuan, que deverão ser úteis para a causa de beatificação.
Dom Paul Nguyen Thai Hop declarou à Fides: “Os fiéis vivem a visita da delegação do Vaticano com grande alegria e esperança, com a certeza de …

SOLENIDADE DA ANUNCIAÇÃO DO SENHOR

Imagem
Leituras: Is 7,10-14;8-10; Sl 39(40),1.2.3.4; Hb 10,4-10; Lc 1,26-38
"Ao entrar no mundo, Cristo disse: Eis-me aqui, ó Pai, para fazer a tua vontade" (Hb 10,5.7)
Neste dia, a Igreja festeja solenemente o anúncio da Encarnação do Filho de Deus. O tema central desta grande festa é o Verbo Divino que assume nossa natureza humana, sujeitando-se ao tempo e espaço. 
Hoje é o dia em que a eternidade entra no tempo ou, como afirmou o Papa São Leão Magno: "A humildade foi assumida pela majestade; a fraqueza, pela força; a mortalidade, pela eternidade."
Com alegria contemplamos o mistério do Deus Todo-Poderoso, que na origem do mundo cria todas as coisas com sua Palavra, porém, desta vez escolhe depender da Palavra de um frágil ser humano, a Virgem Maria, para poder realizar a Encarnação do Filho Redentor:
"No sexto mês, o anjo Gabriel foi enviado por Deus a uma cidade da Galileia, chamada Nazaré, a uma virgem e disse-lhe: ‘Ave, cheia de graça, o Senhor é contigo.’ Não t…

Quem celebra? (CIC n. 1136-1144)

Imagem
A ação litúrgica então não termina na sua dimensão meramente histórica. Ela é, pelo contrário, uma degustação (cf. João Paulo II, Audiência Geral, 28.06.2000), um pálido reflexo da realidade (cf. Bento XVI, Homilia na celebração das Vésperas na Catedral de Notre-Dame em Paris, 12.09.2008), daquela que incessantemente se celebra no alto dos céus. A Liturgia eclesial, portanto, não constitui simplesmente uma imitação mais ou menos fiel da Liturgia celeste, nem sequer uma celebração paralela ou alternativa. Pelo contrário, ela significa e representa uma concreta epifania sacramental da Liturgia eterna.
Uma das imagens bíblicas que está na base de tudo isso é proposta pelo Livro do Apocalipse, que descreve um luminoso ícone de Liturgia celeste (cf. Ap 4-5; 6,9; 7,1-9; 12; 14,1; 21; 22,1; e também CIC, nn. de 1137- 1138).
É toda a criação que eleva a Deus um louvor incessante. E é nessa Liturgia contínua do céu que a comunidade constituída pelo povo santo de Deus, reunida em fraternal ale…

5º DOMINGO DA QUARESMA

Imagem
Leituras: Jr 31,31-34; Sl 50(51), 1.2.3.; Hb 5,7-9; Jo 12,20-33 
“Cristo, nos dias de sua vida terrestre, apresentou pedidos e súplicas, com veemente clamor e lágrimas, àquele que o podia salvar da morte; e foi atendido por causa da sua submissão.
E embora fosse Filho, aprendeu, contudo, a obediência pelo sofrimento; e levado à perfeição, se tornou para todos os que lhe obedecem princípio de salvação eterna.” (Hb 5, 7-9).
“Naquele tempo, ... Jesus lhes respondeu: “É chegada a hora em que será glorificado o Filho do Homem. Em verdade, em verdade, vos digo: Se o grão de Trigo que cai na terra não morrer, permanecerá só; mas se morrer, produzirá muito fruto. Quem ama sua vida a perde e quem odeia sua vida neste mundo guardá-la-á para a vida eterna. Se alguém quer servir-me, siga-me; e onde estou eu, aí também estará o meu servo. Se alguém me serve, meu Pai o honrará. (...) e, quando eu for elevado da terra, atrairei todos a mim”. (Jo 12, 20-33).
“Porei minha lei no fundo de seu ser,...” …

Quero amor, não sacrifício!

1“Vinde, voltemos para o Senhor,  ele nos feriu e há de tratar-nos,  ele nos machucou e há de curar-nos.  2Em dois dias, nos dará vida,  e, ao terceiro dia, há de restaurar-nos,  e viveremos em sua presença.  3É preciso saber segui-lo  para reconhecer o Senhor.  Certa como a aurora  é a sua vinda,  ele virá até nós como as primeiras chuvas,  como as chuvas tardias que regam o solo”.
4Como vou tratar-te, Efraim?  Como vou tratar-te, Judá?  O vosso amor é como nuvem pela manhã,  como orvalho que cedo se desfaz.  5Eu os desbastei por meio dos profetas,  arrasei-os com as palavras de minha boca,  mas, como luz,  expandem-se meus juízos; 6quero amor, e não sacrifícios,  conhecimento de Deus, mais do que holocaustos."
Os 6,1-6

Conversão

Assim fala o Senhor: 2“Volta, Israel, para o Senhor, teu Deus,  porque estavas caído em teu pecado.  3Vós todos, encontrai palavras  e voltai para o Senhor; dizei-lhe: ‘Livra-nos de todo o mal  e aceita este bem que oferecemos; o fruto de nossos lábios.  4A Assíria não nos salvará;  não queremos montar nossos cavalos,  não chamaremos mais ‘Deuses nossos’  a produtos de nossas mãos;  em ti encontrará o órfão misericórdia”.  5Hei de curar sua perversidade  e me será fácil amá-los,  deles afastou-se a minha cólera.  6Serei como orvalho para Israel;  ele florescerá como o lírio  e lançará raízes como plantas do Líbano. 7Seus ramos hão de estender-se;  será seu esplendor como o da oliveira,  e seu perfume como o do Líbano.
8Voltarão a sentar-se à minha sombra  e a cultivar o trigo,  e florescerão como a videira,  cuja fama se iguala à do vinho do Líbano.  9Que tem ainda Efraim a ver com ídolos?  Sou eu que o atendo e que olho por ele. Sou como o cipreste sempre verde:  de mim procede o teu…

És muito precioso para mim!

1 E agora , assim diz o SENHOR, aquele que te criou, Jacó, aquele que te modelou, Israel: “Não tenhas medo que fui eu quem te resgatou,  chamei-te pelo próprio nome, tu és meu!
2 Se tiveres de atravessar pela água,  contigo estarei  e a inundação não te vai submergir!  Se tiveres de andar sobre o fogo,  não te vais queimar,  as chamas não te atingirão!
3 Pois eu sou o SENHOR, o teu Deus,  o Santo de Israel, o teu Forte!  Para pagar tua liberdade eu dei o Egito!  Para ficar contigo, entreguei a Etiópia e Sabá!
4 Pois és muito precioso para mim,  e mesmo que seja alto o teu preço,  é a ti que eu quero!  Para te comprar, eu dou, seja quem for;  entrego nações, para te conquistar!
5 Não tenhas medo, estou contigo!  No Oriente vou buscar tua semente  e do Ocidente vou reunir a tua gente.
6 Direi ao Norte: “Devolve!”  e ao Sul: “Não segures!  Traze de longe os meus filhos,  traze minhas filhas dos confins do mundo,
7 todos os que são conhecidos por meu nome,  os que, para minha glória, eu …

A oração é o caminho do Verbo que tudo abraça

Imagem
JOÃO PAULO II
18ª AUDIÊNCIA GERAL
Quarta-feira, 14 de Março de 1979


1. Durante a Quaresma muitas vezes chegam aos nossos ouvidos as palavras «oração, jejum e esmola», que já tive de recordar na Quarta-feira de Cinzas. Estamos habituados a pensar nelas como em obras piedosas e boas, que todo o cristão deve realizar sobretudo neste período. Tal modo de pensar é exacto, mas não completo. A oração, a esmola e o jejum precisam de mais profunda compreensão, se queremos inserir estes actos mais profundamente na nossa vida, e não considerá-los simplesmente como práticas passageiras, que só exigem de nós algo de momentâneo, ou só momentaneamente nos privam dalguma coisa. Com este modo de pensar não chegamos ainda ao verdadeiro sentido e à verdadeira força que a oração, o jejum e a esmola têm no processo da conversão a Deus e da nossa maturação espiritual: uma anda ao mesmo passo que a outra. Chegamos à maturidade espiritual convertendo-nos a Deus, e a conversão realiza-se por meio do jejum e da …