Rádio

sexta-feira, 11 de março de 2016

Bispo fala da Jararaca e vermelhetes metem o pé na jaca!

Precisamos reagir antes que o Brasil se torne o México dos anos 20. Lá, como aqui, haviam jararacas populistas, que se colocavam acima da lei e eram denunciadas pela Igreja Católica.


Publicamos abaixo mais um post do blog o Catequista. Como sempre, pode-se ler o original no próprio blog clicando aqui:
***
Oi, Povo Católico!
Bastou um bispo se pronunciar sobre a jararaca mais famosa do Brasil, que os vermelhetes vieram com tudo pra cima da Igreja.
Temos vivido perpetuamente isolados. Até agora, temos nos empenhado em ser forças sem contato algum, de tal maneira que os católicos quase não conhecemos uns aos outros.
E o mais grave e doloroso é que, apesar de os últimos acontecimentos terem nos revelado toda a nossa imensa fragilidade e desorganização, ainda assim fazemo-nos de desentendidos.
Continuamos acastelados em nosso isolamento, empenhados em viver isolados uns dos outros e a ajustarmo-nos aos nossos planos individuais segundo nossos modos de ver as coisas e nossas opiniões.
Enquanto os nossos inimigos nos dão lições de organização e nos fazem entender que a organização é uma necessidade imperiosa, nós continuamos aprisionados à nossa rotina e ao nosso isolamento, por mais que saibamos muito bem, por longa e dolorosa experiência, que este sistema não pode levar senão à derrota.
Continuamos extasiados ante o nosso número, orgulhosos e satisfeitos por sermos maioria neste país.
Mas também seguiremos sendo uma maioria importante, vencida, sujeita ao furor dos nossos perseguidores. Porque o número, por maior que seja, não basta para a vitória.
O número, para alcançar os êxitos que se buscam com ele, supõe, exige, pede ser sempre um verdadeiro número em ação.
E deixa de ser número quando somente é uma quantidade abstrata, mas na realidade não vive, não atua simultaneamente. E este agir simultaneamente, todos juntos, tem-nos faltado.
Por isso o nosso número não terá valor nenhum enquanto não nos organizarmos.Somente depois de nos organizarmos teremos uma coragem forte e invencível, e o nosso número se fara sentir. Por isso a organização é a necessidade suprema dos católicos. Somente assim o número de católicos será um número verdadeiro.
*****
Você leu até aqui? Achou que fiz uma boa leitura da situação atual do Brasil? Pois é… o texto que se inicia logo depois da figura não é meu, é do beato Anacleto González Flores, mártir da Guerra dos Cristeros, no México – também conhecida como Cristiada. Nesta guerra, os católicos mexicanos se levantaram contra o projeto de poder de um governo maçônico que chegou a tal ponto de dominação que suprimiu a liberdade religiosa, tomando as paróquias, proibindo imagens e símbolos religiosos (até dentro de casa) e banindo qualquer tipo de culto – até mesmo ensinar os filhos a rezar resultava em pesadas multas.
E sabe porque foi suprimida? Porque o governo sabia que precisava calar a boca dos bispos e padres o quanto antes. Antes que a maioria católica deixasse de ser um monte de conformados e passassem a ser uma maioria de verdade.
Guardando-se as devidas proporções, Dom Darci, ex-bispo auxiliar de Aparecida (agora Arcebispo de Diamantina), resolveu não ficar calado diante de todas as atrocidades que estamos vendo nos últimos anos e disse isso aqui em uma das preces da comunidade da missa de domingo:
“Peça, meu irmão e minha irmã, a graça de pisar a cabeça da serpente, de todas as víboras que insistem e persistem em nossa vida, daqueles que se autodenominam jararacas. Pisar a cabeça da serpente. Vencer o mal pelo bem. Por Cristo, Nosso Senhor…”
Pronto. Bastou uma simples prece da comunidade pra despertar a ira dos vermelhetes…
DomDarci01

Repare a diferença de tom entre o que ele falou e esse minúsculo extrato de todas as pedras que atiraram em um legítimo sucessor dos apóstolos. Quem estava realmente “pregando o ódio”?
Dom Darci estava certo? Certíssimo. Você pode até ser petista devoto (e neste caso não insista, você não é católico), mas não há como negar que tudo cheira muito mal neste governo. Podem até ser todos mais inocentes que uma criança de dois meses, mas não há a menor dúvida de que são extremamente incompetentes e desrespeitosos com o povo brasileiro. Principalmente quando um ex-presidente se coloca acima de toda a justiça e inflama seus correligionários a impedir a todo custo que ele seja investigado.
Isso sem falar na liberação do aborto, no escracho na educação, na ideologia de gênero… tudo promovido por essa mesma galera.
Devemos pisar nestas serpentes sim. E não é com violência não. É com protesto, com voto, com denúncia, com justiça e, acima de tudo, com orações e unidade.
Precisamos reagir antes que o Brasil se torne o México dos anos 20. Lá, como aqui, haviam jararacas populistas, que se colocavam acima da lei e eram denunciadas pela Igreja Católica. E era isso que acontecia:
Não podemos deixar a coisa chegar nesse ponto. Você pode até não ir às ruas no dia 13 de março. Mas abra o olho. Faço minhas as palavras do Beato Anacleto:
“Continuamos extasiados ante o nosso número, orgulhosos e satisfeitos por sermos maioria neste país.
Mas também seguiremos sendo uma maioria importante, vencida, sujeita ao furor dos nossos perseguidores. Porque o número, por maior que seja, não basta para a vitória.
O número, para alcançar os êxitos que se buscam com ele, supõe, exige, pede ser sempre um verdadeiro número em ação”.
[Fonte: O Catequista]

Nenhum comentário:

Postar um comentário