Rádio

segunda-feira, 18 de junho de 2012

O Trabalho dos Agentes da Pastoral Familiar é indispensável


Entrevista com Mons. Vitaliano sobre a Pastoral Familiar
Por Thácio Siqueira e Tarcisio Siqueira

CRATO, terça-feira, 12 de junho de 2012 (ZENIT.org) – A realidade da Pastoral familiar, a experiência sacerdotal, a realidade da formação das famílias católicas no Brasil, os melhores subsídios para os Agentes de Pastoral..., esses e outros sãos os temas que Mons. Vitaliano, nosso colaborador habitual, nos brinda numa entrevista a ZENIT.

Publicamos a entrevista a seguir:

***

ZENIT: A quanto tempo que senhor têm como apostolado a preparação dos noivos? A sua família influenciou na escolha deste apostolado? Pode nos contar um pouco como era sua família?

MONS. VITALIANO - O Senhor deu-me a alegria de passar maior parte de todo o tempo da minha atividade pastoral no meio dos jovens, dos noivos e dos casais. Foram 12 anos numa paróquia de Roma, diretor do Curso de noivos. Na verdade a minha família não me influenciou muito nesta sensibilidade. A partir dos 10 anos comecei a viver fora da família. Nesta idade o meu pai morreu. Logo depois entrei no Seminário Menor de Roma. Éramos 4 filhos. Nossa mãe era muito jovem, mas nunca se casou de novo. Certa vez lhe perguntamos o motivo (havia por aí alguns pretendentes). Ela respondeu que não poderíamos chamar pai, quem não era o nosso pai. Mas, além desta resposta, nos demos conta de que ela continuava a amar o papai. Este exemplo sensibilizou-me sobre os problemas da família.

ZENIT - O Senhor poderia contar-nos um pouco da forma como eram ministrados os cursos de preparação para noivos sob sua responsabilidade na Itália? e também como o Senhor chegou a este formato? Testou outras formas antes de chegar a este formato? Poderia nos contar algumas histórias que fortalecem o formato do curso em encontros semanais?

MONS. VITALIANO – Na Itália os cursos começaram depois do Concílio. Na paróquia onde colaborava, o pároco, eleito depois arcebispo, começou a atuar esta pastoral de forma restrita. Eram as primeiras experiências. Quando não tinha tempo delegava para mim. Quando, em seguida, foi-me confiado este encargo, fazendo tesouro do trabalho realizado pelo pároco e analizando também a pastoral das paróquias vizinhas, reestruturei o Curso de forma mais orgânica, fazendo-o consistir em 10 encontros, sobre diversos argumentos e com a colaboração de uma equipe bem formada. O caminho era duplo: apresentar a sacramentalidade do matrimônio, mas especialmente insistia muito na formação humana. Quando falta o homem, a graça não pode construir. Foram anos muito bonitos que lembro com saudades.

A minha formação remota deriva da especialização sobre moral e direito matrimonial. Também frequentei Cursos de atualização apresentados pela Diocese de Roma para formar pessoas especializadas para este tipo de pastoral. Gosto de lembrar do Padre Luciano Cupia que em Roma foi um dos pioneiros. Os seus conselhos foram-me muito úteis.

ZENIT - A experiência de dividir a formação dos noivos em encontros semanais não é novidade para o Senhor, e nem para muitas paróquias no Brasil. No entanto, o conteúdo dos encontros tem sido deixado de lado em detrimento de encontros puramente pautados em testemunhos. O Senhor acha que o livro oferece a oportunidade das paroquias terem um bom material para complementarem esses encontros semanais? Para o Senhor qual capítulo do Livro "Preparação para o Matrimônio – Curso para agentes" é o que não pode faltar em um curso de noivos? E porque?

MONS. VITALIANO - Dom Fernando Panico, que me acolheu, me pediu para colaborar na Pastoral Familiar da Diocese com o Padre José Cláudio da Silva que está desenvolvendo um trabalho maravilhoso. Aqui tem tanta boa vontade e estão realizando muitos esforços para fazer os Cursos sempre mais eficazes. É importante apresentar experiências, mas ainda mais importante é apresentar a doutrina da Igreja na sua integridade e com os esclarecimentos necessários. Notei que nos jovens há um grande desejo de conhecer, de saber, de aprofundar; especialmente querem aprender o ensinamento da Igreja sobre o matrimônio e as razões de algumas de suas posições. Isto é muito encorajador; mas é vital fazer uma boa reestruturação para não deixar estes jovens sem respostas convincentes. Se está tentando formar um bom grupo de leigos bem preparados que possam colaborar.

Graças à uma apresentação de ZENIT conheci o livro “Preparação para o Matrimônio”. O comprei e o achei muito interessante. Parece-me um ótimo subsídio para dar uma estrutura mais sólida aos Cursos para noivos.

A impostação geral é boa, aplicável às várias situações pastorais. É positivo que no final de cada capítulo haja um apêndice: Texto complementar, que oferece sugestões para estudos posteriores.

Formato de 11 capítulos, está dividido praticamente em duas áreas: os capítulos 2-8 referem-se mais à dimensão humana: amor conjugal, o conhecimento de si mesmo e do outro, o diálogo, sobre a sexualidade humana e o planejamento familiar. Fiquei muito feliz por este espaço mais amplo oferecido para o amadurecimento humano. Nas minha experiência normalmente não tenho visto casais que se separem por motivos religiosos mas por falta de formação humana. Quando os noivos se casam imaturos, é quase certo que o seu matrimônio não durará. Os capítulos 9 e 10 apresentam o sacramento e a liturgia matrimonial. São temas extremamente interessantes e indispensáveis para a maturação dos noivos. Por isso o Curso deve ser programado com muita antecedência; fazê-lo uma semana antes do casamento, praticamente não serve.

Destes argumentos, o que me parece hoje de maior importância, porque está mais em crise, é o diálogo no casal. Infelizmente falta, ou não se quer encontrar, o tempo para conversar. No casal, muitas vezes, reina o silêncio. Fala-se de tudo, mas não se senta para falar do casal.

Infelizmente, nestes dois anos de vida no Brasil não tive a possibilidade de encontrar subsídios válidos. Só em pensar que para encontrar uma livraria digna do nome deve-se ir à Fortaliza (distante 560 Km!). No entanto, parece-me fundamental aquele preparado pela CNBB: "Diretório da Pastoral Familiar" (2009) e da CNPF: "Guia de Preparação para a vida matrimonial” (2009) e "Pastoral Familiar Setor Pré-Matrimonial" (2009).

Permito-me dizer aos Agentes da Pastoral Familiar que o seu trabalho é indispensável hoje para salvar a família das muitas tentativas de destruí-la. Destruída a Família destrói-se o Homem e a mesma sociedade. Por isso: bom trabalho a todos.

Para adquirir: os subsídios da CNPF acesse o site: www.cnpf.org.br, ou ligue para: (61) 3443 2900;

Para adquirir “Preparação para o Matrimônio - Cursos para Agentes”, envie um email para: quero.reservar.um.livro@gmail.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário