sábado, 16 de junho de 2012

Imaculado Coração da Virgem Maria



Esta memória ao Imaculado Coração de Maria não é nova na Igreja; tem as suas profundas raízes no Evangelho que repetidamente chama a nossa atenção para o Coração da Mãe de Deus. Por isto na Tradição Viva da Igreja encontramos confirmada pelos Santos Padres, Místicos da Idade Média, Santos, Teólogos e Papas como o nosso João Paulo II. 

"Depois ele desceu com eles para Nazaré; era-lhes submisso; e a sua mãe guardava todos esses acontecimentos em seu coração". Estes relato bíblico que se encontra no Evangelho segundo São Lucas, uni-se ao do canto de Louvor - Magnificat - a compaixão e intercessão diante do vinho que havia acabado e a presença de Maria de pé junto a Cruz, para assim nos revelar a sintonia do Imaculado Coração de Maria para com o Sagrado Coração de Jesus. 

Dentre os santos se destacou como apóstolo desta devoção São João Eudes, e dentre os Papas que propagaram esta devoção de se destaca Pio XII que em 1942 consagrou o mundo inteiro ao Coração Imaculado de Maria. 

As aparições de Nossa Senhora em Fátima - Portugal- no ano de 1917, de tal forma espalhou a devoção ao Coração de Maria que o Cardeal local disse: "Qual é precisamente a mensagem de Fátima ? Creio que poderá resumir-se nestes termos: a manifestação do Coração Imaculado de Maria ao mundo atual, para o salvar". Desta forma pudemos conhecer do Céu que o Pai e Jesus querem estabelecer no mundo inteiro a devoção do Imaculado Coração que encontra fundamentada na Consagração e Reparação a este Coração que no final Triunfará.

Homilia: Maria guardava todos estes acontecimentos em seu coração!

Maria é sobretudo coração: Coração de Mãe, Mãe que ama! Mulher que ama como Mãe. Ela ama gratuitamente, sem medida. No seu amor, se revela toda a ternura do nosso Deus. Nela podemos dizer que Deus é um Pai, que nos ama a todos e a cada um com um Coração de Mãe. Disse-o Bento XVI, “porque foi elevada ao céu em corpo e alma, no céu temos uma mãe. O céu está aberto, o céu tem um coração” (Bento XVI, Homilia na Assunção 2005).

1. É o coração agarrado ao de Jesus, que a faz procurar o filho "perdido" mas que ela encontra "achado" no essencial. Ele estava cuidando das coisas do Pai. "E Maria guardava todas as coisas em seu coração". Sem perceber tudo, sofria entregando o Coração à vontade de Deus Pai, realizando e seguindo a vontade do Filho!

2. Maria é toda ela coração!

Coração atento e discreto que esqueceu ser Mãe para aprender a ser discípula...

Coração atento à falta de vinho no casamento em Canã.

Coração, que nesse momento, desperta e acorda o coração de Cristo para revelar a sua glória e poder, intercedendo pelos noivos.

Coração que prepara os homens para obedecer à vontade do filho.

Coração que, nos trinta anos de silêncio de Jesus, soube amar sem proveito, amar sem saber, amar sem recompensa, amar em esperança, amar em silêncio. Mas sempre, coração grande, atento às necessidades de todos.

Coração despedaçado e ferido na loucura humana que abriu o coração de Cristo na Cruz, à loucura do amor de Deus.

Maria demonstrou-nos, com a sua fé paciente e a sua espera confiante, com que guardava no seu coração todas as coisas, e ao longo de longos anos, que «a fidelidade no tempo é o nome do amor» (Bento XVI aos consagrados em Fátima).

3. Falar do coração de Maria é contemplar Maria, como Mãe da misericórdia, Maria é aquela que melhor conhece o mistério da misericórdia divina. Por isso, vem a Fátima e quer difundir a devoção ao C.I.M. e ao Coração de Jesus. No dia 13 de Junho de 1917 manifesta o seu coração, cheio de espinhos, pedindo oração e penitência e dizendo sem rodeios: «Jesus quer estabelecer no mundo a devoção ao meu Imaculado Coração». Paulo VI exortava todos os fiéis da Igreja "a renovar pessoalmente a sua própria consagração ao coração da Mãe da Igreja e a viver este acto de culto com uma vida cada vez mais conforme à vontade de Deus e um espírito de serviço filial e de devota imitação da sua Celeste Rainha" (Signum Magnum, 13 de Maio de 67). E João Paulo II fê-lo de modo solene, em Fátima, a 13 de Maio de 1991. Bento XVI em Fátima e ainda ontem em Roma consagrou os Sacerdotes ao Imaculado Coração de Maria.

4. Neste quase final de ano pastoral, nas nossas comunidades, não queria terminar, sem acentuar quanto esta memória litúrgica do Imaculado Coração de Maria, evidencia a necessidade de construirmos uma Igreja, que, na sua matriz, tem tanto de apostólica, como de Mariana. Muito a Igreja teria a ganhar, redescobrindo a sua matriz mariana, a sua dimensão afectiva e receptiva, silenciosa e oblativa, e com ela o contributo do próprio génio feminino (cf. DM 2; 10), aprendendo de cada mulher e de Maria, a Mulher por excelência, o acolhimento fiel à Palavra, a sensibilidade à beleza, a ternura nas relações, a intuição do próprio mistério de Deus!

Em Maria, Mãe, a Igreja aprende a sua própria maternidade, aprende a gerar filhos para Deus, através dos sinais da solicitude, do acolhimento e da perseverança no amor, numa gratuidade radiante, feita de atenção concreta e de carinho no dom. Carinho é transmitir a profundidade da vida, através da verdade e da simplicidade do gesto; é estabelecer um vínculo de caridade profunda, luminosa, humildade e discreta.

5. Mas também a nossa civilização, dominada pela técnica, tem necessidade de aprender de Maria o necessário pulsar e respirar do coração puro! Depois de tantas “eras” da nossa história, é desejável que se abra por fim, e para a humanidade, uma era mais feminina, mais mariana, o mesmo é dizer, uma era do coração, uma era da compaixão. Nessa altura, a técnica será de bem pouca ajuda, porque o que conta não é o Q.I., o coeficiente de inteligência, mas o «coeficiente do coração». Essa é a «evolução» e a «revolução» que se impõe. Fazer valer cada pessoa, mais pela sua capacidade de amar, do que de pensar ou de fazer. De facto, “não é a ciência ou a técnica, que nos salvam. Só o amor nos redime” (cf. Bento XVI, Spe Salvi, 26).

6. As minhas palavras de despedida, - e porque estamos a celebrar o centenário do nascimento da Beata Jacinta, são as da pequena pastorinha à sua prima Lúcia: «Já falta pouco para ir para o céu.... Tu fica cá para dizeres que Deus estabelecer no mundo a devoção ao Imaculado Coração de Maria. Ah se eu pudesse meter no coração de toda a gente o lume que tenho cá dentro a fazer-me gostar tanto do Coração de Jesus e do Coração de Maria".

A este coração devemos muito, devemos o próprio Filho de Deus, o dom maior que a humanidade poderia conhecer.

Dêmos-lhe então graças, porque a gratidão é a memória do coração, desse coração, como o de Maria, que guarda todas as palavras e acontecimentos, para os ler e viver, na fidelidade, a um desígnio eterno de Amor!

Nenhum comentário:

Postar um comentário