segunda-feira, 13 de fevereiro de 2012

Disciplina interior



15 de agosto de 1965 - por ocasião dos exercícios em Aríccia

A nossa consideração se refere à disciplina: disciplina pessoal e social, quer porque devemos evitar o mal, quer porque devemos fazer o bem, individual e socialmente. 

Disciplina em nós mesmos. Sabemos que há tendências espirituais e tendências carnais. Há como uma luta em nosso íntimo. Então é necessário que nos guiemos a nós mesmos com disciplina firme e com a ajuda da graça, para que não sejamos vencidos na luta que se trava dentro de nós: deve vencer o espírito e não a carne. 

Disciplina interior. Dominamos os nossos pensamentos e a nossa mente? Pensamentos bons ou pensamentos menos bons? Pensamentos bons que se referem a Deus, que se referem à caridade, à virtude. Os pensamentos podem ser contra a fé, contra a caridade, contra a castidade, e podemos dizer, contra toda virtude. Quanto tempo se perde com pensamentos vãos e inúteis! 

Dominar o íntimo: os sentimentos que podem ser bons, em ordem a Deus e em ordem à virtude, à santidade, ao próximo. Mas há sentimentos de orgulho, de inveja, de desejos perigosos. Dominar o coração! Disciplinar o coração e disciplinar a vontade, a qual deve caminhar segundo a vontade de Deus. Se a força das paixões dominasse a vontade, então estaríamos no caminho que leva ao mal. Disciplinar o interior: a fantasia, para recordar ou reproduzir em nós coisas que se leram, se ouviram, se viram. Dominar a memória! Recordar o que aprendemos de bem, as pregações, os conselhos, os avisos do confessor etc... Disciplinar a vontade: às vezes encontram-se pessoas que são como uma anarquia contínua, querem e não querem, querem o bem e querem o mal. Tenhamos caráter e sejamos disciplinados interiormente! É mais fácil descobrir o exterior se somos disciplinados, mas o interior é mais difícil de descobrir. 

Disciplinar os sentidos externos: Os olhos, que devem servir para o que é necessário para a nossa vida e então usar os olhos sempre em ordem ao que é útil, ao que serve para o próximo, para o bem. Disciplinar os olhos para que, vendo o que é mau, não criemos para nós mesmos tentações. 

Disciplinar o ouvido: não escutar o que é mal; escutar e fazer tudo o que é útil para a vida social. 

Disciplinar a língua que pode trazer bens imensos a nós mesmos: como fazer a oração, confessar-se bem e muitas outras coisas. Com a língua podemos levar o bem, iluminar, empregar a fala que o Senhor nos deu. Usemos santamente a língua [cf Tg 1,26]. 

Quanto ao gosto, não é ele que decide se se deve comer ou beber muito ou pouco etc. Tomar o alimento de acordo com a necessidade do bem físico, porque, quando um remédio é amargo, não é segundo o nosso gosto, mas serve para a nossa saúde. Devemos mortificar o tato, o corpo. O descanso seja o necessário. Dominemos as atividades que devemos praticar. Dominemos a nós mesmos. 

Não favoreçamos a paixão, tudo que leva ao mal. Ao contrário, utilizemos todas as nossas forças intelectuais, interiores, dos sentidos internos e externos. Disciplinemos a nós mesmos. Isto significa ser retos e de caráter, ser realmente cristãos em tudo, não somente cristãos na Igreja, mas em todas as coisas e em todos os lugares, ser gente reta e cristã. Se formos consagrados a Deus, é preciso disciplina ainda maior: disciplina que se refere à pobreza, à castidade, à obediência. Disciplinemos-nos: retidão em tudo. 

Alem dessa disciplina individual, pessoal, é preciso também a disciplina social. Adão e Eva viveram em sociedade, em sociedade conjugal. Eva arruinou Adão. É preciso haver disciplina na vida social. Em primeiro lugar, esta disciplina se refere à vida cotidiana. Em qualquer ambiente em que se viva, na família, na sociedade, ou na vida comum, é necessário disciplina, porque a nossa vida exterior impõe mortificação. A vida comum tem as suas vantagens, mas requer a disciplina social, ou na família, ou onde se vive todos os dias. Disciplinemo-nos na sociedade. Sejamos exemplo na vida cristã, não de mau exemplo. Comportemo-nos dignamente, de maneira que sejamos de edificação ao próximo. 

Se já somos consagrado à Deus, então é necessário que a vida religiosa seja bem vivida. Se for bem vivida terá influencia salutar. Se não for bem vivida, será um mau exemplo. Há também escândalos na sociedade, e ai daqueles que dão escândalos aos pequeninos. Diz Jesus no Evangelho: “Melhor lhe fora ser lançado ao mar com uma pedra de moinho enfiada no pescoço do que escandalizar um só destes pequeninos” (Lc 17,2). Devemos ser coerentes no que impõe a vida cristã, a vida religiosa. Na sociedade todos vós vos dedicais a algum apostolado. Devemos disciplinar-nos: não nos carreguemos de mais coisas do que as que podemos atender. Devemos fazer o que podemos, e fazer bem. Também o bem seja bem feito. Na sociedade civil devemos disciplinar tudo, a começar pela roupa até as coisas mais delicadas. É preciso que nos abstenhamos de certos divertimentos, por exemplo, cinema, romance, livro que são perigosos. Devemos evitar o que é perigoso. Que a nossa vida seja exemplo, porque o exemplo vale mais que a palavra, que a própria exortação. 

Na sociedade encontramos, às vezes, ambientes bons, cristãos e é fácil viver santamente. Quando, porém, nos achamos em ambientes não exemplares, até escandalosos e maus, então é preciso a fortaleza para evitar e, quando é possível, também para corrigir. É mais fácil ser arrastado pelo mal do que ser levado ao bem que santifica. Disciplinemos a nossa conduta, o nosso dia, os ambientes em que vivemos e a nossa própria vida, a nossa vida pessoal. Quem ama o perigo, perece nele. Evitemos todas as pessoas que são de mau exemplo e que levam ao mal. Jesus advertia a seus ouvintes, as multidões, que se guardassem de seguir a vida dos fariseus, que queriam passar por mestres, falavam bem, mas agiam mal. 

Devemos concluir os exercícios com o programa de vida, para nos guiar a nós mesmos e nos comportar nos ambientes em que devemos viver, na vida de família, ou na vida religiosa, ou na sociedade civil ou em todos os ambientes em que podemos encontrar-nos. Com o bom exemplo, muitas coisas servem para levar a edificação a todos. Os que conhecem pessoas que são retas, justas, em tudo e servem de bom exemplo, então são como tantas admoestações para quem vê e para quem ouve. 

Vejamos, pois, além de estabelecer a nossa vida social, devemos ainda acrescentar: podemos agir e fazer maior bem em nossa vida? Devemos dar conta de todos os talentos que o Senhor nos deu. Quem tem mais inteligência, que tem mais saúde e quem tem mais qualidades ou meios. Todos os talentos devem ser utilizados, lembrando-se da parábola do Evangelho. 

Portanto, usemos os nossos talentos, e usemo-lo o quanto nos for possível, para a nossa santificação, disciplinando-nos a nós mesmos, e trabalhando para a salvação das almas. 

(Pe. Alberione, Meditações para consagradas seculares


Leia também os dois breves artigos sobre o assunto, podem ajudar. 



Dois artigos úteis 



DISCIPLINA - A CHAVE DE UM FUTURO MELHOR 



Responda rapidamente: o que [Pe. Alberione], Gandhi, Charles Chaplin, Einstein e Churchill tinham em comum? E o que Buda e Santos Dumont compartilhavam? 

É difícil encontrar algum em comum entre figuras tão díspares, não é mesmo? Mas a resposta é muito simples, e nela reside a razão da grandeza de cada um deles. Todos foram pessoas disciplinadas. 

Nenhum deles jamais teria conseguido o que conseguiu se não tivesse realizado um esforço continuado. É certo que Einstein era um gênio - mas de que isso adiantaria se ele não tivesse dedicado horas e horas ao estudo e às questões que permitiram que formulasse a Teoria da Relatividade? 

Buda era um grande que já nasceu diferente? Segundo ele próprio, não era. Sempre afirmou que qualquer um podia alcançar a iluminação - desde que colocasse isso como sua meta de vida e trabalhasse disciplinadamente para tanto. Gandhi exigiu de si mesmo uma disciplina férrea, voltada para o seu ideal de libertação e integração da Índia. Graham Bell, o inventor do telefone, colecionou uma série infindável de fracassos antes de obter sucesso. Mas continuou em frente. 

O fato é que todos nós somos, potencialmente, seres excepcionais. Mas não realizamos esse potencial. Por quê? A resposta, também neste caso, é simples: não queremos aceitar o fato de que, para alcançar o que desejamos, temos que ser disciplinados. 

Quantos de nós sonham em ocupar uma melhor posição no trabalho? Muitos, não? Mas quantos desenvolvem uma estratégia para isso e, mais importante, executam essa estratégia? Poucos, não é mesmo? 

E esse é ponto básico de nossa newsletter de hoje: sem disciplina, você nunca irá a lugar nenhum. O atleta de músculos perfeitos tem que encarar horas e horas de exercício, disciplinadamente.[O exemplo de São Paulo e os atletas] O cientista que descobriram a vacina contra a AIDS terá passado horas e horas trancafiado em um laboratório, disciplinadamente. Todos os que chegaram, estão chegando ou chegarão ao sucesso terão que, de alguma forma, exercer uma enorme força de vontade, e impor uma disciplina rígida a si mesmos. 



COMO FAZER? 

No entanto, algumas pessoas acreditam que essa disciplina é, em si mesma, um dom. Quanto a isso, tenho boas notícias. Não é verdade. Disciplina se aprende. E, como um músculo, pode ser treinada. Veja como: 



1 - Acabe com as desculpas 

Seres humanos são especialistas em desculpas, e em encontrar bodes expiatórios. O fato de que a situação não está boa, ou de que fulano fez algo que o boicotou não é razão suficiente para que você deixe de fazer todo o possível para ter sucesso e ser feliz. 

Lembre-se que cada vez que você atribui um dos seus problemas a uma instituição ou a uma pessoa, você abre mão de seu único poder: o poder sobre si mesmo. Algo ou alguém pode realmente ser a origem dos seus problemas. Mas a solução deles só terá uma origem: você. Portanto, deixe de lado “eles” e o possível mal que lhe causam ou causaram. Pense em como você irá evoluir e vencer. 



2 - Comece devagar 

Nenhum campeão de halterofilismo começou levantando 200 quilos. Nem você vai se transformar no que quer ser em um dia. Você também não irá conseguir ser um exemplo de disciplina em apenas um dia. 

Mirar alto é bom e é necessário. Mas o sucesso é a soma de pequenos passos. Como um atleta em treinamento, você começará andando, depois andando depressa, depois correndo. 

Estabeleça metas modestas - manter seus papéis organizados, ou responder a todos os telefonemas que deve responder. Quando estiver bem treinado, exija mais de si. Como um músculo que se torna mais forte, a disciplina irá se tornar um hábito cada vez mais arraigado a cada vitória sobre si mesmo. 



3 - Não há exceções 

Uma vez que tenha estabelecido sua meta inicial de disciplina, não faça exceções. Quando começamos a fazer exceções, as exceções se tornam a nova regra. E o seu objetivo vai por água abaixo. Por isso que é preciso começar aos poucos, com coisas que você seja efetivamente capaz de fazer. 



4 - Não se considere um messias ou um mártir 

Não existe nada mais incomodo do que um ex-fumante que se dedica a “converter” os fumantes na sua campanha contra o fumo. Da mesma forma, o fato de você ter optado por ser uma pessoa disciplinada — e portanto vencedora — não significa que, a partir de agora, você irá exigir que todos ao seu redor vivam pelos seus novos parâmetros. 

Também não significa que você irá cumprir as tarefas que se impôs como se fossem uma cruz que carrega. Afinal, se você mantiver os olhos no horizonte, verá sempre a meta que tem à frente. E a disciplina diária será apenas um hábito que incorporou para chegar a essa meta. Portanto, faça um favor a si e aos que vivem com você — faça também da alegria uma nova disciplina. 








Outro artigo 

AUTODISCIPLINA 



A autodisciplina pode ser considerada um tipo de treinamento específico, criando-se novos hábitos de pensamento, ação e linguagem para o autoaperfeiçoamento e para ajudar a obter suas metas. A autodisciplina pode também ser alcançada através de pequenas tarefas específicas. Encare a autodisciplina como um esforço positivo e não como negativo (de deixar para lá). 



Planeje uma pequena tarefa para certa hora do dia. Discipline o seu tempo. 

Planeje uma determinada tarefa para a parte da manhã e outra para a parte da tarde. 

A tarefa não deve levar mais que 15 minutos. 

Aguarde a hora determinada para a tarefa. Quando a hora determinada chegar, inicie a tarefa. 

Mantenha o planejamento por, pelo menos, 2 semanas. 

Planeje uma tarefa e siga à risca seu horário. Evite agir por impulsos. 

Monitore seu progresso. No final do tempo alocado, mantenha um registro das realizações obtidas ao longo do tempo. 

Benefício: Mantendo um registro, vai ajudá-lo a saber quanto tempo leva cada tarefa. 

Se você conseguir tempo de sobra, preencha-o com outras pequenas tarefas, faça anotações, planeje outras tarefas, etc. 



Use a rotina para seu benefício 

Em vez de dedicar muitas horas em um dia e nenhuma no outro e algumas no seguinte e assim por diante, determine certo período de tempo em cada dia da semana para aquela tarefa. 

Seja firme. 

Não fixe uma meta exceto pela alocação de tempo. Simplesmente estabeleça o hábito da rotina. 

Aplicando esta técnica em seus trabalhos de escola ou em seus projetos, você estará no caminho certo para a execução e conclusão dos seus objetivos. 

Benefício: Você estará trabalhando com tarefas em pequenos incrementos, não tudo de uma vez. Primeiro você desenvolve um hábito, depois o hábito faz o serviço para você. 



Use a autodisciplina para lidar com o gerenciamento do tempo [Administrar o tempo] 

O gerenciamento do tempo pode se tornar uma tarefa complicada. Quando você não tem controle sobre si mesmo, como pode controlar seu tempo? Comece controlando-se através da autodisciplina com o estabelecimento de tarefas. 

Benefício: Ao passo que você controla suas tarefas, você desenvolve sua autodisciplina. Ao passo que desenvolve sua autodisciplina, você começa a gerenciar seu tempo. Ao passo que começa a gerenciar seu tempo, você desenvolve autoconfiança. 



Mantenha um Diário da Autodisciplina 

Registre o início e término das tarefas. 

Faça uma análise do seu progresso já obtido. 

Benefício: Este Diário pode ser uma ferramenta útil para você ter uma idéia global das suas atividades a fim de colocá-las em ordem de prioridade e também para entender o que é importante e o que não é na utilização do seu tempo. 



Planeje seu dia de trabalho e de seus estudos 

Quando você vai começar seu trabalho ou esteja indo para ele, tome alguns minutos do seu tempo e escreva em uma folha ou pedaço de papel as tarefas que você quer realizar naquele dia. 

Coloque-as em ordem de prioridade. 

Comece imediatamente a trabalhar no item mais importante. 

Faça desta maneira durante alguns dias para ver se este hábito funciona para você. 

Os hábitos se formam com o tempo: quanto tempo vai depender de você e do hábito. 

Benefício: Quando você tiver uma ideia clara do que você quer realizar para o dia que se inicia, as chances serão grandes de que você será capaz de executar as tarefas proativamente. Passando para o papel e esboçando seu dia antecipadamente ajuda muito. 



Desânimo 

Não desanime; não adie as coisas devido ao tamanho do desafio. 

Mas se hesitar, lembre-se de que isto é natural. 

Dê uma descansada para se revigorar contra o desafio. 



Dicas 

Associe um hábito novo com um velho 

Se você bebe café, associe a primeira xícara com a hora ou momento para detalhar e priorizar suas tarefas. 

Benefício: A associação ajuda nas conecções neurais! 



Verifique o andamento e progresso das atividades [Exame de consciência] 

Em um calendário, em uma planilha no seu computador ou mesmo sobre a mesa do café da manhã: Verifique e dê baixa nos dias em que você conseguiu fazer todas as atividades programadas. Se você falhou na rotina, comece de novo! 

Benefício: A visualização é um rápido reforço e estímulo para seu progresso. 



Modelos de exemplo [Os santos] 

Observe as pessoas da sua convivência e veja como a autodisciplina e os hábitos as ajudam na realização de suas metas. Peça conselhos a elas sobre o que realmente funciona e o que não funciona. 

Benefícios: O Planejamento ajuda você a se concentrar em suas prioridades. Concentrando mais em iniciar suas tarefas do que em completá-las, você poderá evitar a procastinação 



Contribuído por Mahanthi Bukkapaptnam, Des Moines, Iowa 



Traduzido por Valdemir Fernandes, Guarulhos, São Paulo, Brasil. Desde 1996 o siteGuias de Estudo e Estratégias“ | Study Guides and Strategies vem sendo elaborado, pesquisado e mantido por Joe Landsberger como um serviço público educacional para o estudante no mundo todo. É dada permissão para que as matérias sejam copiadas, adaptadas e distribuídas, desde que em padrões não comerciais, para que o estudante possa ser beneficiado. Por favor, esteja ciente que nosso site agradece a todos que possam ajudar e que ele está sempre em contínua revisão. Por esta razão, a reprodução de todo o conteúdo na Internet pode ser feita somente com a permissão de um contrato de licenciamento. Não é necessário fazer o “link” para o site. 



Sites úteis 


Nenhum comentário:

Postar um comentário