Animais no Altar (159)

É comum os autores gregos compararem a borboleta, que deixa multicolorida e feliz o casulo, com a alma que se desembaraça do corpo. Os cristãos assumiram esse símbolo, que acena, de algum modo, a superioridade da alma ao corpo. Favorece o símbolo o fato de o casulopermanecer e a borboleta voar pelos espaços afora. Assim o corpo permanece na terra, a alma voa ao céu. Encontra-se até nalguns autores a expressão "almas voadoras" para indicar a borboleta. No grande mosaico da criação, na Basílica de São Marcos, em Veneza, do século XIII, para significar a entrega da alma viva a Adão, o artista fez sair da boca de Deus um sopro em forma de menina, com asas de borboletas. Os grandes artistas jogam muito com os símbolos.

Frei Clarêncio Neoti, OFM

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Leitura Orante: A perseverança que salva

Leitura Orante: o Reino de Deus está perto

Leitura Orante: Companheiros na missão